A era da impessoalidade: sua majestade o tele marketing

 

 Um ditado antigo nos ensina que “tudo o que acontece é para o bem” e eu estou quase crendo que seja verdadeiro, pois veja o leitor, estava prestes a marcar uma consulta objetivando saber se o meu velho companheiro, o coração, estava funcionando bem, quando tive a necessidade de ligar para a companhia telefônica que nos presta serviços. Depois de uma primeira ligação no período matutino, seguida de outra à tarde e mais cinco na manhã do dia seguinte, ouvindo sempre a mesma gravação me orientando que número deveria discar, conclui que o coração está bem. Passados dez dias e mais de 27 ligações conclui estar em perfeito estado de saúde. Se estivesse ruim não resistiria tamanha insatisfação com o atendimento. Assim poupei uma consulta e, além do mais pude dedicar-me a algumas tarefas caseiras que vinha adiando.

Mas, ao que tudo indica, não sou o único a fazer esse teste muito mais desagradável que o eletrocardiograma. A Folha de São Paulo assinalou em sua edição de 3/12/2009 que “o setor das telecomunicações lidera o ranking das empresas contra as quais os brasileiros mais reclamaram no período de um ano”, sendo que “a campeã de reclamações foi a Oi/Brasil Telecom”. O pior é que não vemos o rosto das pessoas com quem falamos, não sabemos se estão em nossa cidade, em nosso estado ou mesmo em nosso país. Criado em uma época em que os enfrentamentos eram feitos no estilo olho no olho, a impessoalidade me irrita. Os atendentes são treinados para não ficarem nervosos, não se exaltarem e por mais despropérios que lhes dizemos continuam impávidos. Foram muito bem treinados. No final, assim como no início da conversa, a impessoalidade chega ao extremo: não é um ser presente do outro lado da linha que fala conosco e ao qual poderíamos dirigir um palavrão. É apenas uma voz, a mesma que no início da gravação nos orientava a discar 1 se... 2, se... , não sem antes nos alertar que estamos sendo gravados. Essa voz nos pede para darmos uma nota de 1 a 5 ao atendente. Dou nota máxima. Nota cinco para o atendente, na verdade, cinco para todos os 14 atendentes com os quais falei em dois dias, por mais de duas horas. Quanta calma! Quanta serenidade! Quanta paciência tem esses funcionários para atender ao reclamante! Mas, se o atendente merece 5, o atendimento da empresa deveria ser zero, no entanto isso não nos foi perguntado. Se não estivermos satisfeitos e formos ao Procon, a empresa ainda poderá levar a gravação e dizer que fomos bem atendidos senão não teríamos dado nota cinco ao atendente. É extremamente desagradável pagarmos caro pelos serviços e sermos tratados com tanto desrespeito.

Ainda não é tudo. Embora sejamos orientados a discar determinado número para cairmos no setor que desejamos, somos passados para três ou quatro outros atendentes, reduzindo assim, gradativamente, o nosso poder de fogo. Agora, ainda pior se, como ocorreu comigo, o atendente é um desses usuários do gerúndio e nos enfileiram, expressões do tipo: “já vou estar atendendo..., vou estar providenciando...”. Isso dá nos nervos, como dizia um professor da Unesp/Araraquara.  

O que me conforta, posso assegurar, é que não sou culpado por isso. Lutei com os meios que tinha, o quanto pude, contra as privatizações de nossas empresas. Que saudades da velha Telems, da Enersul e tantas outras. Agora, o que posso fazer é contribuir com os leitores, repassando-lhes um e-mail que recebi dia desses, intitulado “A vingança do cliente”, que nos ensina a atender ligações de tele marketing:

Toca o telefone da casa...
- Alô.
- Alô, poderia falar com o responsável pela linha?
- Pois não, pode ser comigo mesmo.
- Quem fala, por favor?
- Edson.
- Sr. Edson, aqui é da companhia telefônica, estamos ligando para oferecer a promoção de uma linha adicional, onde o Sr. tem direito...
- Desculpe interromper, mas quem está falando?
- Aqui é Rosicleide Judite, da companhia telefônica, e estamos ligando....
- Rosicleide, me desculpe, mas para nossa segurança, gostaria de conferir alguns dados antes de continuar a conversa, pode ser?
- Bem, pode.
- De que telefone você fala? Meu bina não identificou.
- 10331.
- Você trabalha em que área, na Telefônica?
- Telemarketing Pro Ativo.
- Você tem número de matrí­cula na Telefônica?
- Senhor, desculpe, mas não creio que essa informação seja necessária.
- Então terei que desligar, pois não posso ter segurança que falo com uma funcionária da Telefônica. São normas de nossa casa.
- Mas posso garantir...
- Além do mais, sempre sou obrigado a fornecer meus dados a uma legião de atendentes sempre que tento falar com a Telefônica.
- Ok.... Minha matrícula é 34591212.
- Só um momento enquanto verifico.
(Dois minutos depois)
- Só mais um momento.
(Cinco minutos depois)
- Só mais um momento senhora.
(doze minutos depois).
- Senhor?
- Só mais um momento, por favor, nossos sistemas estão lentos hoje.
- Mas senhor...
- Pronto, Rosicleide, obrigado por ter aguardado. Qual o assunto?
- Aqui é da Telefônica, estamos ligando para oferecer a promoção, onde o Sr. tem direito a uma linha adicional. O senhor está interessado, Sr. Edson?
- Rosicleide, vou ter que transferir você para a minha esposa, porque é ela que decide sobre alteração e aquisição de planos de telefones.
- Por favor, não desligue, pois essa ligação é muito importante para mim.
(coloco o telefone em frente ao aparelho de som, deixo a música Festa no Apê do Latino tocando no Repeat (quem disse que um dia essa droga não iria servir para alguma coisa?), depois de tocar a porcaria toda da música, minha mulher atende:
- Obrigado por ter aguardado... . pode me dizer seu telefone pois meu bina não identificou. .
- 10331.
- Com quem estou falando, por favor.
- Rosicleide
- Rosicleide de que?
- Rosicleide Judite (já demonstrando certa irritação na voz).
- Qual sua identificação na empresa?
- 34591212 (mais irritada agora!)..
- Obrigada pelas suas informações, em que posso ajudá-la?
- Aqui é da Telefônica, estamos ligando para oferecer a promoção, onde a Sra tem direito a uma linha adicional. A senhora está interessada?
- Vou abrir um chamado e em alguns dias entraremos em contato para dar um parecer, pode anotar o protocolo por favor.....alô , alô!
TUTUTUTUTU.. .
Desligou.... nossa que moça impaciente!

As suas críticas são bem vindas: biasotto@biasotto.com.br

A reprodução do texto é permitida desde que citada a fonte.

Voltar

Livros

2010: O ANO QUE NÃO ACABOU PARA DOURADOS

A obra ora apresentada é uma coletânea de crônicas publicadas em diversos meios de comunicação no ano de 2010. Falam, sempre com elegância e fluidez, de nossas vidas, de acontecimentos e de possíveis eventos em nosso país, especialmente em nosso município.

Ver

MEDIEVO PORTUGUES: O REI COMO FONTE DE JUSTIÇA NAS CRÔNICAS DE FERNÃO LOPES

Nossa preocupação, nesse trabalho, foi a de estudar o comportamento dos reis, no que concerne à aplicação da Justiça, baseados nas crônicas de Fernão Lopes.

Ver

Crônicas: Educação, Cultura e Sociedade

O livro ora apresentado é um apanhado de 104 crônicas, algumas de 1978 e a maioria escrita a partir de 1995 até a presente data. O tema Educação compõe-se de 56 crônicas, outras 16 são relatos descrevendo fábulas ou estórias oriundas da cultura italiana, e os emas Cultura e Sociedade compreendem, cada um, 16 crônicas.

Ver

Crônicas: globalização, neoliberalismo e política

Esta obra foi editada em 2011 pela Editora da UFGD e reune 99 crônicas escritas principalmente nos últimos quinze anos, versando sobre a globalização, o neoliberalismo e política

Ver

[2009] EDIFICANDO A NOSSA CIDADE EDUCADORA

Esse trabalho tem três objetivos principais, cada qual contemplado em uma das três partes do livro, como se verá adiante. O primeiro é oferecer ao leitor algumas reflexões sobre temas que ocupam o nosso dia-a-dia; o segundo é divulgar os vinte princípios das Cidades Educadoras e, finalmente o terceiro, é tornar público o projeto que nos orienta na transformação de Dourados em uma Cidade Educadora e mostrar os primeiros passos para a operacionalização desse projeto.

Ver

[1998] Até aqui o Laquicho vai bem: os causos de Liberato Leite de Farias

Ao refletir sobre a importância do contador de causos/narrador para a preservação da cultura, percebe-se que cada vez menos pessoas sabem como contar/narrar, com a devida competência, as experiências do cotidiano. Por quê? Para Walter Benjamin, as ações motivadoras das experiências humanas são as mais baixas e aterradoras possíveis em tempos de barbárie; as nossas experiências acabam parecendo pequenas ou insignificantes diante da miséria e da fragmentação humana, numa constatação que extrapola os espaços nacionais.

Ver

[1991] O MOVIMENTO REIVINDICATÓRIO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL: 1978 - 1988

Momentos de grandes mobilizações têm teito do professorado de Mato do Sul a vanguarda do movimento sindicalista deste Estado. Este fato motivou a realização deste trabalho, que teve como proposta inicial analisar criticamente o movimento reivindicatóno do magistério de Mato Grosso do Sul, na perspectiva de revelar-lhe, tanto quanto possível, o perlil de luta, ao longo de sua palpitante trajetória em busca de melhorias salariais, estabilidade empregatícia e melhoria da qualidade do ensino.

Ver

Contato

Informações de Contato

biasotto@biasotto.com.br