Muitos caminhos, qual escolher?

É bem conhecida a tese poética de Antonio Machado, de que “não há caminho, o caminho se faz ao caminhar”, mas existe um trecho nessa obra que às vezes ignoramos: “Ao andar se faz caminho / E ao olhar para atrás / Se vê o caminho que nunca se deve pisar novamente”.

Que belíssima aula de história em um verso! Admiro os poetas, os historiadores, e sou um deles, buscamos a verdade, tentamos desvelar aquilo que está oculto nos discursos governamentais para ludibriar ou não o povo, estudamos religiões, folclore, memórias, revoluções, transformações sociais, mas temos que ser prolixos para nos fazermos entender.  O poeta é sintético. Não adianta caminharmos fazendo o nosso próprio caminho senão olharmos para trás e verificarmos se o caminho que percorremos deverá ou não ser trilhado novamente.

Isso, como já disse, é história, história para ser compreendida, “a história é o conhecimento do passado para melhor compreensão do presente e para termos uma visão do futuro”, [Collingwood].

Embora particularmente possa aprender com o meu próprio caminhar, posso também em me socorrer com a história e escolher o caminho a ser percorrido. Olho para o escravagismo romano, para a servidão medieval, para as atrocidades cometidas para com os trabalhadores durante a Revolução Industrial, analiso o liberalismo econômico [de Adam Smith], o estado de bem-estar social [de Keynes], o socialismo [de Marx], e me pergunto: “caminhante, qual o caminho? ”

Particularmente trilhamos os nossos caminhos: acertamos, erramos, aprendemos ou insistimos em nossos erros, mas e coletivamente?

Em uma democracia os eleitores escolhemos os caminhos. Ludibriados ou não escolhemos. Às vezes, preocupados com os nossos afazeres assimilamos mentiras, conscientemente proclamadas. 

Escolhemos as rádios que ouvimos, os noticiários televisivos que assistimos. Mas, ás vezes nem percebemos que muitas rádios e televisões se tornaram poderosíssimas porque se alimentaram de verbas governamentais a ponto de uma emissora de televisão, por exemplo, ter ganho de causa no Supremo Tribunal Federal para entrevistar Lula e, após vencer o pleito, autocensurar-se.

Bem, para mim, embora possa estar enganado, autocensura não passa de corrupção, de jabazeirismo [oba, inventei um neologismo para o jabá ].

Edição jornalística que só tem como fonte “O antagonista”, por exemplo, é jornalismo marrom. O jornalismo deveria ter como princípio básico a investigação, não se basear apenas em releases.

Voltemos aos caminhos e o que devemos escolher. O nosso atual governo, eu vos pergunto, deve ter olhado para a história e escolhido dentre os múltiplos caminhos, um deles para caminhar? Aparentemente escolheu o caminho neoliberal, que implica na privatização de todas as estatais brasileiras, na livre negociação entre empresários e trabalhadores, no unilaterismo, optando, preferencialmente por ter como parceiros os Estados Unidos e Israel.

Só isso?

Bem, espero que não nos iludamos com exportações de abacates, com Cristo em goiabeiras e mangas para alimentar o nosso povo. Se ficarmos com as mangas e os chineses com a soja e o restante do mundo com nossos minérios e petróleo, estaremos condenados a voltaremos a ser Colônia. E o endereço é certo: com o corte de 30% do orçamento das Universidades Federais, os nossos melhores cérebros serão recrutados por países desenvolvidos e as universidades públicas brasileiras, as maiores produtoras de Ciência no Brasil, passarão a ser simplesmente repassadoras de ensino. [A grande diferença das Universidades Públicas brasileiras é que produzem ensino, pesquisa [98%] e extensão].

Bom, mas os filhos de nossa elite [retrógrada] talvez voltarão a estudar na Europa e dizerem, como Gonçalves Dias: “minha terra tem palmeiras, onde canta o sabia...”

Pena, Emmanuel Marinho, que uma de suas obras primas não seja apenas a lembrança de um passado, mas a recrudescência de dias atuais: “Tem pão velho? “Não criança, tem o pão que o diabo amassou, mas não tem pão velho. Temos comida farta em nossas mesas .... mas não temos pão velho.”

A escolha é sempre uma questão muito difícil. Lamentável, como dizia a minha avó, que uns gostem dos olhos e ouros da ramela.

A reprodução do texto é permitida desde que citada a fonte.

Voltar

Livros

2010: O ANO QUE NÃO ACABOU PARA DOURADOS

A obra ora apresentada é uma coletânea de crônicas publicadas em diversos meios de comunicação no ano de 2010. Falam, sempre com elegância e fluidez, de nossas vidas, de acontecimentos e de possíveis eventos em nosso país, especialmente em nosso município.

Ver

MEDIEVO PORTUGUES: O REI COMO FONTE DE JUSTIÇA NAS CRÔNICAS DE FERNÃO LOPES

Nossa preocupação, nesse trabalho, foi a de estudar o comportamento dos reis, no que concerne à aplicação da Justiça, baseados nas crônicas de Fernão Lopes.

Ver

Crônicas: Educação, Cultura e Sociedade

O livro ora apresentado é um apanhado de 104 crônicas, algumas de 1978 e a maioria escrita a partir de 1995 até a presente data. O tema Educação compõe-se de 56 crônicas, outras 16 são relatos descrevendo fábulas ou estórias oriundas da cultura italiana, e os emas Cultura e Sociedade compreendem, cada um, 16 crônicas.

Ver

Crônicas: globalização, neoliberalismo e política

Esta obra foi editada em 2011 pela Editora da UFGD e reune 99 crônicas escritas principalmente nos últimos quinze anos, versando sobre a globalização, o neoliberalismo e política

Ver

[2009] EDIFICANDO A NOSSA CIDADE EDUCADORA

Esse trabalho tem três objetivos principais, cada qual contemplado em uma das três partes do livro, como se verá adiante. O primeiro é oferecer ao leitor algumas reflexões sobre temas que ocupam o nosso dia-a-dia; o segundo é divulgar os vinte princípios das Cidades Educadoras e, finalmente o terceiro, é tornar público o projeto que nos orienta na transformação de Dourados em uma Cidade Educadora e mostrar os primeiros passos para a operacionalização desse projeto.

Ver

[1998] Até aqui o Laquicho vai bem: os causos de Liberato Leite de Farias

Ao refletir sobre a importância do contador de causos/narrador para a preservação da cultura, percebe-se que cada vez menos pessoas sabem como contar/narrar, com a devida competência, as experiências do cotidiano. Por quê? Para Walter Benjamin, as ações motivadoras das experiências humanas são as mais baixas e aterradoras possíveis em tempos de barbárie; as nossas experiências acabam parecendo pequenas ou insignificantes diante da miséria e da fragmentação humana, numa constatação que extrapola os espaços nacionais.

Ver

[1991] O MOVIMENTO REIVINDICATÓRIO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL: 1978 - 1988

Momentos de grandes mobilizações têm teito do professorado de Mato do Sul a vanguarda do movimento sindicalista deste Estado. Este fato motivou a realização deste trabalho, que teve como proposta inicial analisar criticamente o movimento reivindicatóno do magistério de Mato Grosso do Sul, na perspectiva de revelar-lhe, tanto quanto possível, o perlil de luta, ao longo de sua palpitante trajetória em busca de melhorias salariais, estabilidade empregatícia e melhoria da qualidade do ensino.

Ver

Contato

Informações de Contato

biasotto@biasotto.com.br