Fábricas de conhecimentos

Inspira-me essa matéria um artigo da Universidade de São Paulo, USP, que se inicia com a resposta do professor sênior Walter Colli de 79 anos, quando perguntado se dava aulas naquela instituição. “Não só dou aula (...) aqui é uma universidade de pesquisa”.

A pergunta que foi formulada ao professor Colli, representa aquilo que a maior parte da sociedade brasileira pensa a respeito das Universidades Públicas, ou seja, que são escolas onde apenas se ensina, se repassa conhecimento, o que demonstra que as universidades “não são percebidas pela população como instituições de pesquisa”, como produtoras de conhecimentos, ao lado da Fio Cruz, Embrapa e Butantã.

Um estudo da USP retrata um cenário preocupante em que as universidades não são percebidas pela população como instituições de pesquisa, apesar de serem elas as responsáveis pela maior parte da produção científica nacional. É impressionante conhecer que das 50 instituições que mais publicaram trabalhos científicos no Brasil nos últimos cinco anos, 44 são universidades (36 federais, 7 estaduais e 1 particular)

A USP, não obstante, estar caindo no ranking dentre as principais universidades do mundo, no Brasil é consagrada a maior produtora de pesquisas científicas com 22% de participação. Na sequência estão a UNICAMP E UNESP e 36 federais, como já afirmei acima.

Segundo dados da base Web of Science, compilados pela Clarivate Analytics, 80% dos pesquisadores do país estão nas universidades, ou seja, de cada 10 cientistas brasileiros, 8 trabalham numa universidade.

A pergunta que faço aos meus botões: se as universidades públicas são importantíssimas para a sociedade, por produzirem ensino gratuito e de qualidade na formação de bons profissionais e por atuarem em todas as áreas do saber humano na produção de desenvolvimento científico, tecnológico e intelectual, por que não são percebidas pela população e criticadas pelas próprias instâncias governamentais que as subsidiam?

Fico cá pensando se a sociedade brasileira e os governantes não deveriam formular algumas questões para si próprios, por exemplo: aqueles engenheiros e técnicos que estão sobre uma plataforma da Petrobrás, aqueles que descobriram o pré-sal são oriundos de onde? Os corações artificiais que já estão sendo produzidos no Brasil, foram desenvolvidos aonde? Os administradores, os médicos, os professores saíram do acaso? A indústria naval brasileira foi incubada aonde, senão na Escola Politécnica? A agroindústria evidentemente tem muito a ver com as pesquisas desenvolvidas pela EMBRAPA, não obstante as Universidades Públicas tenham desenvolvido também e até mesmo em parceria com a própria EMBRAPA pesquisas em todas as atividades agropastoris.

Bem diz o almirante Marques do Centro de Coordenação de Estudos da Marinha em São Paulo: “A pesquisa é a pedra que afia a faca da universidade”.

Se as universidades públicas, sendo de fato as maiores produtoras de conhecimento científico e tecnológico, o seu sucateamento representa colocar o Brasil no rumo do subdesenvolvimento, na condição de país dependente e voltar a ser somente um país exportador de matérias primas.

Governos que defendem o Estado Mínimo aproveitam-se da imagem deturpada que se formou em torno do funcionalismo público brasileiro imputando-lhes a pecha de que são indolentes, nomeados por favor e, ainda, acrescentam que as universidades públicas são verdadeiros antros de maconheiros e comunistas.

Em favor da privatização, inclusive na área da saúde e educação, governantes neoliberais fingem desconhecer aquilo que representam as universidades públicas.  Bem sabem eles que, das centenas de universidades privadas existentes no Brasil, apenas uma aparece no ranking das cinquenta maiores produtoras de conhecimentos científicos. O objeto das universidades particulares está centrado no ensino, nas universidades públicas no ensino-pesquisa e extensão. 

Defender, portanto, a universidade pública não é uma questão ideológica, é defender o Brasil, e nós, que temos em Dourados um polo universitário, com duas instituições privadas [UNIGRAN e ANHANGUERA] e duas públicas [UFGD e a UEMS], precisamos distinguir os seus respectivos objetivos e nos conscientizarmos de que, sem elas, não teríamos o desenvolvimento que experimentamos nos últimos anos.

Best Replica Rolex Watches Rolex Replica Watches Rolex Replica

A reprodução do texto é permitida desde que citada a fonte.

Voltar

Livros

2010: O ANO QUE NÃO ACABOU PARA DOURADOS

A obra ora apresentada é uma coletânea de crônicas publicadas em diversos meios de comunicação no ano de 2010. Falam, sempre com elegância e fluidez, de nossas vidas, de acontecimentos e de possíveis eventos em nosso país, especialmente em nosso município.

Ver

MEDIEVO PORTUGUES: O REI COMO FONTE DE JUSTIÇA NAS CRÔNICAS DE FERNÃO LOPES

Nossa preocupação, nesse trabalho, foi a de estudar o comportamento dos reis, no que concerne à aplicação da Justiça, baseados nas crônicas de Fernão Lopes.

Ver

Crônicas: Educação, Cultura e Sociedade

O livro ora apresentado é um apanhado de 104 crônicas, algumas de 1978 e a maioria escrita a partir de 1995 até a presente data. O tema Educação compõe-se de 56 crônicas, outras 16 são relatos descrevendo fábulas ou estórias oriundas da cultura italiana, e os emas Cultura e Sociedade compreendem, cada um, 16 crônicas.

Ver

Crônicas: globalização, neoliberalismo e política

Esta obra foi editada em 2011 pela Editora da UFGD e reune 99 crônicas escritas principalmente nos últimos quinze anos, versando sobre a globalização, o neoliberalismo e política

Ver

[2009] EDIFICANDO A NOSSA CIDADE EDUCADORA

Esse trabalho tem três objetivos principais, cada qual contemplado em uma das três partes do livro, como se verá adiante. O primeiro é oferecer ao leitor algumas reflexões sobre temas que ocupam o nosso dia-a-dia; o segundo é divulgar os vinte princípios das Cidades Educadoras e, finalmente o terceiro, é tornar público o projeto que nos orienta na transformação de Dourados em uma Cidade Educadora e mostrar os primeiros passos para a operacionalização desse projeto.

Ver

[1998] Até aqui o Laquicho vai bem: os causos de Liberato Leite de Farias

Ao refletir sobre a importância do contador de causos/narrador para a preservação da cultura, percebe-se que cada vez menos pessoas sabem como contar/narrar, com a devida competência, as experiências do cotidiano. Por quê? Para Walter Benjamin, as ações motivadoras das experiências humanas são as mais baixas e aterradoras possíveis em tempos de barbárie; as nossas experiências acabam parecendo pequenas ou insignificantes diante da miséria e da fragmentação humana, numa constatação que extrapola os espaços nacionais.

Ver

[1991] O MOVIMENTO REIVINDICATÓRIO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL: 1978 - 1988

Momentos de grandes mobilizações têm teito do professorado de Mato do Sul a vanguarda do movimento sindicalista deste Estado. Este fato motivou a realização deste trabalho, que teve como proposta inicial analisar criticamente o movimento reivindicatóno do magistério de Mato Grosso do Sul, na perspectiva de revelar-lhe, tanto quanto possível, o perlil de luta, ao longo de sua palpitante trajetória em busca de melhorias salariais, estabilidade empregatícia e melhoria da qualidade do ensino.

Ver

Contato

Informações de Contato

biasotto@biasotto.com.br