Futurologia: o que será o amanhã?

Logia, igual a estudo, portanto, futurologia é o estudo do futuro. Mas como se pode estudar o futuro se ele ainda não existe? Collingwood nos ensinou que a história é o estudo do passado para melhor compreendermos o presente e termos uma visão do futuro. Uma visão, não significa dizer a previsão exata do que será o futuro, mas que é possível ao menos desenharmos um cenário para ele.
Em “Homo Deus: uma história do amanhã”, Yuval Harari traça um futuro sombrio para a humanidade prevendo que as máquinas [a inteligência artificial] se sobreporão aos seus criadores, mas um cenário muito mais otimista pode ser desenhado.
Fico imaginando se no futuro próximo não será possível chegarmos a um hospital e rapidamente termos um rim paralisado substituído por um artificial impresso em 3 D no próprio hospital. Impossível? Não, o Instituto Federal de Zurique já produziu um coração que palpita igual ao do nosso próprio peito. Em breve, ao invés de pedirmos um hambúrguer na lanchonete, poderemos fabricá-lo em nossa própria impressora. O motoqueiro entregador ficará sem trabalho, mas, em compensação, poderá produzir a sua própria moto, também em 3 D. E se fosse somente o motoqueiro a ser prejudicado com aquilo que chamamos de desemprego estrutural ainda vá lá, mas a evidência é que no futuro deverá haver uma mudança profunda no formato de trabalho. Saúde e Educação deverão ser as áreas mais privilegiadas; para o transporte, teremos carros automatizados que poderão ser de domínio particular ou público, mas eficientes, no atendimento das pessoas [nesse caso o usuário chamaria a central e assim como no atendimento do SAMU, o carro seria disponibilizado automaticamente].
No caso das melhorias na Saúde, quando tivermos próteses ou procedimentos com DNA que alongarão a vida humana, a pergunta que se faz é se no futuro estaríamos escapando da morte. Não creio, a vida muito longeva acabará sendo enjoativa. Quanto à Educação, chips tornarão as mentes humanas muito mais eficazes. Essa história de dizer que os robôs [a inteligência artificial] ultrapassarão a inteligência humana é balela, antes de os robôs chegarem ao nível tão elevado de conhecimento a ponto de comunicarem-se entre si e com os humanos, estes já terão implantado chips em suas cabeças que lhes permitirão sempre serem superiores aos robôs.
Grandes preocupações da humanidade atualmente são com relação ao clima, a água, a guerra e o câncer. Questões climáticas serão resolvidas com a conservação e ampliação de áreas florestais. Com o envelhecimento da população e redução da natalidade teremos, nos próximos cinquenta anos, uma redução dos habitantes da Terra e não haverá, por via de consequência, necessidade de expansão da área agricultável. Daí que muitas áreas hoje ocupadas pela pecuária e lavoura poderão voltar a ser utilizadas para as florestas. A água, um bem finito, poderá ser recompensada com a ampliação florestal, além de que poderá ser retirada da própria atmosfera ou do mar, pela dessalinização. Quanto às guerras, o mais provável é que acabarão, elas serão substituídas pela elevação da inteligência humana. Em relação ao câncer, a nossa maior preocupação atualmente é com os agrotóxicos, já que o uso do cigarro também será superado pela inteligência. Os agrotóxicos, se não forem totalmente substituídos por produtos naturais no combate às pragas, serão eliminados quando embalados em caixas capazes de absorvê-los.
Esse cenário otimista não é absurdo. Pele humana será impressa, assim como tecidos para as vestimentas, a realidade virtual poderá ser visitada por humanos, a comunicação poderá ser feita diretamente entre cérebros, sem auxílio da palavra, enfim, alguém que morrer hoje, se puder voltar daqui cinquenta ou cem anos, com certeza não conseguirá entender absolutamente nada. Ressalto que rupturas imprevisíveis poderão levar água abaixo as mais prováveis probabilidades para o futuro, no entanto, ele poderá ser maravilhoso.
De qualquer forma, estou convicto de que as máquinas não dominarão a humanidade por completo, serão subalternas, mas os homens diminuirão as desigualdades entre eles, de modo que não fiquem expropriados das maravilhas do futuro e, essa camada excluída, sujeita à dominação das máquinas? Haverá ainda explorados e exploradores?
Publicado em "O PROGRESSO" 03/04/2019

A reprodução do texto é permitida desde que citada a fonte.

Voltar

Livros

2010: O ANO QUE NÃO ACABOU PARA DOURADOS

A obra ora apresentada é uma coletânea de crônicas publicadas em diversos meios de comunicação no ano de 2010. Falam, sempre com elegância e fluidez, de nossas vidas, de acontecimentos e de possíveis eventos em nosso país, especialmente em nosso município.

Ver

MEDIEVO PORTUGUES: O REI COMO FONTE DE JUSTIÇA NAS CRÔNICAS DE FERNÃO LOPES

Nossa preocupação, nesse trabalho, foi a de estudar o comportamento dos reis, no que concerne à aplicação da Justiça, baseados nas crônicas de Fernão Lopes.

Ver

Crônicas: Educação, Cultura e Sociedade

O livro ora apresentado é um apanhado de 104 crônicas, algumas de 1978 e a maioria escrita a partir de 1995 até a presente data. O tema Educação compõe-se de 56 crônicas, outras 16 são relatos descrevendo fábulas ou estórias oriundas da cultura italiana, e os emas Cultura e Sociedade compreendem, cada um, 16 crônicas.

Ver

Crônicas: globalização, neoliberalismo e política

Esta obra foi editada em 2011 pela Editora da UFGD e reune 99 crônicas escritas principalmente nos últimos quinze anos, versando sobre a globalização, o neoliberalismo e política

Ver

[2009] EDIFICANDO A NOSSA CIDADE EDUCADORA

Esse trabalho tem três objetivos principais, cada qual contemplado em uma das três partes do livro, como se verá adiante. O primeiro é oferecer ao leitor algumas reflexões sobre temas que ocupam o nosso dia-a-dia; o segundo é divulgar os vinte princípios das Cidades Educadoras e, finalmente o terceiro, é tornar público o projeto que nos orienta na transformação de Dourados em uma Cidade Educadora e mostrar os primeiros passos para a operacionalização desse projeto.

Ver

[1998] Até aqui o Laquicho vai bem: os causos de Liberato Leite de Farias

Ao refletir sobre a importância do contador de causos/narrador para a preservação da cultura, percebe-se que cada vez menos pessoas sabem como contar/narrar, com a devida competência, as experiências do cotidiano. Por quê? Para Walter Benjamin, as ações motivadoras das experiências humanas são as mais baixas e aterradoras possíveis em tempos de barbárie; as nossas experiências acabam parecendo pequenas ou insignificantes diante da miséria e da fragmentação humana, numa constatação que extrapola os espaços nacionais.

Ver

[1991] O MOVIMENTO REIVINDICATÓRIO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL: 1978 - 1988

Momentos de grandes mobilizações têm teito do professorado de Mato do Sul a vanguarda do movimento sindicalista deste Estado. Este fato motivou a realização deste trabalho, que teve como proposta inicial analisar criticamente o movimento reivindicatóno do magistério de Mato Grosso do Sul, na perspectiva de revelar-lhe, tanto quanto possível, o perlil de luta, ao longo de sua palpitante trajetória em busca de melhorias salariais, estabilidade empregatícia e melhoria da qualidade do ensino.

Ver

Contato

Informações de Contato

biasotto@biasotto.com.br