1º de abril: Até aqui o Laquicho vai bem

Consagrado como o dia da mentira o primeiro de abril nos traz à lembrança os causos de Liberato Leite de Farias, o Laquicho. Embora tenhamos que distinguir mentira de causos, as histórias de Laquicho às vezes foram confundidas com mentiras. A verdade é que em sua época [final dos anos de 1930, início dos anos de 1940], sem Internet, televisão e mesmo rádio, a distração do povo douradense eram os bailes, os churrascos e a contação de causos. Famosos nesse quesito eram o Major Capilé, Doutor Camilo, dentre outros, mas o Laquicho era o campeão, segundo depoimentos de contemporâneos seus.

O causo que consagrou a expressão “Até aqui o Laquicho vai bem” foi resumida em entrevista com Dona Ercília Pompeu de Toledo como sendo uma frase que faz parte da história de Dourados. A história segue resumida a seguir.

“Tarde de domingo. Peões, moças bonitas, a vizinhança toda ali na fazenda. Parecia um dia de festa. O cavalo estava preso no curral, mas ninguém conseguia laçá-lo. Então o Laquicho falou: “Olha, vou deixar a porteira semiaberta e ficar em cima, vocês soltem o bruto, quando ele passar eu saio em cima”. Assim foi feito. Quando os peões livraram um caminho no curral, o tordilho saiu desembestado. Ao passar pela porteira, o Laquicho caiu-lhe no lombo. Incrível! Tamanha era a rapidez do cavalo que ninguém soube explicar como Laquicho conseguiu essa proeza, ainda mais montado em pelo, sem rédea, sem nada. O certo é que a plateia pouco vira. O cavalo disparou deixando um rastro de poeira. A peonada presente, a maior parte com os cavalos encilhados, saiu atrás. “Já caiu” – diziam uns. “Vamos pegar logo” – repetiam outros. Foi indo, foi indo, a turma começou a se preocupar... Laquicho também estava preocupado. Não preocupado consigo, pois apesar dos corcoveios do cavalo, se aguentava bem. Sua preocupação era com Melica. O que estaria ela pensando lá no meio daquela gente, todos estranhos? Ele logo imaginou que, com toda a certeza, a peonada sairia atrás dele. Então, o que fez? Começou a deixar recado. Quando encontrava um lugar propício, em cada corcoveada, cada ladeada que o cavalo dava, ele, com o dedão do pé, escrevia na areia: “Até aqui o Laquicho vai bem”. Seguindo os recados, os peões perceberam que o cavalo estava cansando: o último recado estava em letras góticas, sinal que o Laquicho tivera tempo para caprichar na letra. Mais um pouco, a peonada encontrou o Laquicho com um lenço, enxugando o suor da cara do cavalo, que deitara exausto. Enquanto a plateia o cumprimentava pela ideia de escrever “Até aqui o Laquicho vai bem”, ele lembrou-se de que era analfabeto”.

Os causos do Laquicho ancoravam-se na paisagem e nas circunstâncias vividas em sua época. Eram histórias que poderiam ser contadas em qualquer ambiente, seja para uma plateia de homens, mulheres ou crianças. Talvez o caso mais malicioso que inventou foi uma das histórias de papagaio.

“Estava o Laquicho contornando uma mata quanto escuta “Ai João... ai João...” Que seria aquilo? Laquicho para, fica atento, olha... e aquilo continua... ai João... ai João. Então ele entre mata adentro foi ver o que era aquilo, quando viu era um joão-de-barro tirando um espinho de macaúba do pé do papagaio.”

O livro “Até aqui o Laquicho vai bem: os causos de Liberato Leite de Farias”, está disponível no site: www.biasotto.com.br

IWC Replica Swiss Fake Watches

A reprodução do texto é permitida desde que citada a fonte.

Voltar

Livros

2010: O ANO QUE NÃO ACABOU PARA DOURADOS

A obra ora apresentada é uma coletânea de crônicas publicadas em diversos meios de comunicação no ano de 2010. Falam, sempre com elegância e fluidez, de nossas vidas, de acontecimentos e de possíveis eventos em nosso país, especialmente em nosso município.

Ver

MEDIEVO PORTUGUES: O REI COMO FONTE DE JUSTIÇA NAS CRÔNICAS DE FERNÃO LOPES

Nossa preocupação, nesse trabalho, foi a de estudar o comportamento dos reis, no que concerne à aplicação da Justiça, baseados nas crônicas de Fernão Lopes.

Ver

Crônicas: Educação, Cultura e Sociedade

O livro ora apresentado é um apanhado de 104 crônicas, algumas de 1978 e a maioria escrita a partir de 1995 até a presente data. O tema Educação compõe-se de 56 crônicas, outras 16 são relatos descrevendo fábulas ou estórias oriundas da cultura italiana, e os emas Cultura e Sociedade compreendem, cada um, 16 crônicas.

Ver

Crônicas: globalização, neoliberalismo e política

Esta obra foi editada em 2011 pela Editora da UFGD e reune 99 crônicas escritas principalmente nos últimos quinze anos, versando sobre a globalização, o neoliberalismo e política

Ver

[2009] EDIFICANDO A NOSSA CIDADE EDUCADORA

Esse trabalho tem três objetivos principais, cada qual contemplado em uma das três partes do livro, como se verá adiante. O primeiro é oferecer ao leitor algumas reflexões sobre temas que ocupam o nosso dia-a-dia; o segundo é divulgar os vinte princípios das Cidades Educadoras e, finalmente o terceiro, é tornar público o projeto que nos orienta na transformação de Dourados em uma Cidade Educadora e mostrar os primeiros passos para a operacionalização desse projeto.

Ver

[1998] Até aqui o Laquicho vai bem: os causos de Liberato Leite de Farias

Ao refletir sobre a importância do contador de causos/narrador para a preservação da cultura, percebe-se que cada vez menos pessoas sabem como contar/narrar, com a devida competência, as experiências do cotidiano. Por quê? Para Walter Benjamin, as ações motivadoras das experiências humanas são as mais baixas e aterradoras possíveis em tempos de barbárie; as nossas experiências acabam parecendo pequenas ou insignificantes diante da miséria e da fragmentação humana, numa constatação que extrapola os espaços nacionais.

Ver

[1991] O MOVIMENTO REIVINDICATÓRIO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL: 1978 - 1988

Momentos de grandes mobilizações têm teito do professorado de Mato do Sul a vanguarda do movimento sindicalista deste Estado. Este fato motivou a realização deste trabalho, que teve como proposta inicial analisar criticamente o movimento reivindicatóno do magistério de Mato Grosso do Sul, na perspectiva de revelar-lhe, tanto quanto possível, o perlil de luta, ao longo de sua palpitante trajetória em busca de melhorias salariais, estabilidade empregatícia e melhoria da qualidade do ensino.

Ver

Contato

Informações de Contato

biasotto@biasotto.com.br