Harrison e a ditadura implantada em 1964

Se você procurar no Google por Harrison de Figueiredo vai encontrar como resposta que se trata de um conjunto habitacional da cidade de Dourados. Mas não fica explícito que Harrison foi um cidadão douradense, advogado, dedicado às causas sociais, defensor da reforma agrária, militante político com fortes laços ideológicos ligados a Leonel Brizola e Getúlio Vargas.

Ouvinte da Rádio Mayrink Veiga [antes que fosse tirada do ar já no dia 1º de abril de 1964], Harrison reunia companheiros em sua casa para escutar e atualizar-se com Leonel Brizola e as suas inflamadas defesas à política de seu genro, o presidente João Goulart.

Em 1996/97, coordenei um grupo de pesquisas no CEUD/UFMS, hoje UFGD, que recuperou Memórias de Pioneiros, A passagem da Coluna Prestes por Dourados, A Usina Velha, Violência contra a mulher, as Ressonâncias do Golpe Militar de 1964 na cidade de Dourados, dentre outras. Sobre o Golpe de 1964 foram gravadas e transcritas 42 fitas cassete com depoimentos de pessoas que viveram àquela época, a maior parte delas tendo sofrido de alguma forma as perseguições da ditatura. Juntando todos os temas foram centenas de depoimentos que se encontram arquivados no Centro de Documentação Regional da UFGD.

Muita gente pensa que o golpe de 1964, não atingiu Dourados, mas na verdade alcançou todas as partes do território nacional. Minha intenção é organizar os depoimentos sobre 1964 e transforma-los em livro que demonstre porquê devemos repudiar todo e qualquer movimento laudatório à ditadura, mas enquanto isso não ocorre tomo a liberdade de transcrever um pequeno trecho do longo depoimento que nos deu Harrison de Figueiredo.

Antes, porém, faço um parêntese para realçar que, via de regra, as ditaduras, e não foi diferente com a implantada em 1964 no Brasil, encontram dentre a população pessoas que se encantam com elas e as louvam, e tornam-se também algozes. Na região de Dourados muitos fazendeiros, punham à disposição da polícia suas caminhonetes, seus caminhões, iam eles próprios, prender os seus desafetos alegando que eram comunistas. Comunistas por aqui eram poucos, a maior parte, trabalhistas, tanto quanto Harrison.

“ ...nossos companheiros foram presos por fazendeiros, exatamente aqueles que diziam assim: tem que prender ele, esse cara ia tomar a minha fazenda e assim nós fomos bater nas grades ... eu experimentei a minha primeira prisão, o meu primeiro confinamento foi aonde é hoje o corpo de bombeiros, ali era uma delegacia de polícia e eu fui recolhido pra lá e assim aqui deve ter sido presos aproximadamente umas 200 pessoas (..) o meu primeiro confinamento me proibiu de tomar banho por 18 dias, agora, eu não recebi torturas, sim eu não, eu só fui alvo, nós fomos alvos de torturas psicológicas, nós não fomos alvos como por exemplo os que vieram de Itaporã, de Douradina, dos que vieram do Bocajá, dos que vieram do Panambi, esses foram presos e espancados, eles vieram de joelhos dentro das carrocerias de caminhão, o caminhão correndo e eles de joelho”.

Em outra passagem Harrison de Figueiredo nos conta que “me passaram para uma sala isolada... veja bem que malandro, me colocaram junto com um traficante e esse traficante eu olhei e aí encostado ao lado dele uma carabina [para fazer medo], mas esse cidadão foi por sinal muito cavalheiro...” Depois colocaram sete pessoas na cela: “dormíamos no chão... De vez em quando retiravam um preso de uma cela próxima, duas horas da manhã e dava uma rajada de metralhadora lá fora. Uma pessoa gritava. Isso, você ouvindo uma noite, duas, três, foi um suplício evidentemente que foi uma maldade extrema, quer dizer ‘que hora vai ser a minha vez’.

A tortura física e os assassinatos durante os 21 anos de ditadura militar foram terríveis, mas a tortura psicológica também era monstruosa. Segundo Harrisson duas pessoas eram postas próxima as celas e ficavam conversando: “ essa gente, isso, é comunista, isso não tem que prender, tem que levar aqui na estrada da usina... leva por aí na usina, e mata”.

Isso é apenas um aperitivo, que eu tenha força e estômago para contar muito mais, ou, ao menos, que outros pesquisadores [a exemplo de Suzana Arakaki, que escreveu Dourados: Memórias e Representações de 1964], possam aproveitar esse acervo que, como disse, encontra-se à disposição no Centro de Documentação Regional da UFGD.

A reprodução do texto é permitida desde que citada a fonte.

Voltar

Livros

2010: O ANO QUE NÃO ACABOU PARA DOURADOS

A obra ora apresentada é uma coletânea de crônicas publicadas em diversos meios de comunicação no ano de 2010. Falam, sempre com elegância e fluidez, de nossas vidas, de acontecimentos e de possíveis eventos em nosso país, especialmente em nosso município.

Ver

MEDIEVO PORTUGUES: O REI COMO FONTE DE JUSTIÇA NAS CRÔNICAS DE FERNÃO LOPES

Nossa preocupação, nesse trabalho, foi a de estudar o comportamento dos reis, no que concerne à aplicação da Justiça, baseados nas crônicas de Fernão Lopes.

Ver

Crônicas: Educação, Cultura e Sociedade

O livro ora apresentado é um apanhado de 104 crônicas, algumas de 1978 e a maioria escrita a partir de 1995 até a presente data. O tema Educação compõe-se de 56 crônicas, outras 16 são relatos descrevendo fábulas ou estórias oriundas da cultura italiana, e os emas Cultura e Sociedade compreendem, cada um, 16 crônicas.

Ver

Crônicas: globalização, neoliberalismo e política

Esta obra foi editada em 2011 pela Editora da UFGD e reune 99 crônicas escritas principalmente nos últimos quinze anos, versando sobre a globalização, o neoliberalismo e política

Ver

[2009] EDIFICANDO A NOSSA CIDADE EDUCADORA

Esse trabalho tem três objetivos principais, cada qual contemplado em uma das três partes do livro, como se verá adiante. O primeiro é oferecer ao leitor algumas reflexões sobre temas que ocupam o nosso dia-a-dia; o segundo é divulgar os vinte princípios das Cidades Educadoras e, finalmente o terceiro, é tornar público o projeto que nos orienta na transformação de Dourados em uma Cidade Educadora e mostrar os primeiros passos para a operacionalização desse projeto.

Ver

[1998] Até aqui o Laquicho vai bem: os causos de Liberato Leite de Farias

Ao refletir sobre a importância do contador de causos/narrador para a preservação da cultura, percebe-se que cada vez menos pessoas sabem como contar/narrar, com a devida competência, as experiências do cotidiano. Por quê? Para Walter Benjamin, as ações motivadoras das experiências humanas são as mais baixas e aterradoras possíveis em tempos de barbárie; as nossas experiências acabam parecendo pequenas ou insignificantes diante da miséria e da fragmentação humana, numa constatação que extrapola os espaços nacionais.

Ver

[1991] O MOVIMENTO REIVINDICATÓRIO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL: 1978 - 1988

Momentos de grandes mobilizações têm teito do professorado de Mato do Sul a vanguarda do movimento sindicalista deste Estado. Este fato motivou a realização deste trabalho, que teve como proposta inicial analisar criticamente o movimento reivindicatóno do magistério de Mato Grosso do Sul, na perspectiva de revelar-lhe, tanto quanto possível, o perlil de luta, ao longo de sua palpitante trajetória em busca de melhorias salariais, estabilidade empregatícia e melhoria da qualidade do ensino.

Ver

Contato

Informações de Contato

biasotto@biasotto.com.br