A rapaziada de volta para a roça

Duas grandes movimentações na cidade de Dourados são a volta às aulas e as colheitas. Tanto o início das aulas nos Centros de Educação Infantil quanto no ensino fundamental e Médio movimentam a cidade, mas quando as Universidades entram em ação, a percepção de que o tráfego aumenta é ainda maior. É que chegam alunos de toda parte do Brasil. Mas deixemos essa movimentação e as suas consequências tão benéficas para outra ocasião. Falemos agora das colheitas.

Quando menino tendo o tio Brasilino [tio Quito], na boleia, ele me deixava ter a impressão de que era eu quem tangia os bois. Assim a gente ia aprendendo sem perceber. Levávamos o café do Sítio do vô Luís [Santa Elvira], no
Bairro da Cabeceira para a máquina de benefício em Borborema. Na volta trazíamos a palha do café, único adubo que se usava àquela época. Eita! mundão, quando meu tio avô, o Bepi, comprou um caminhãozinho a rapaziada o instigava a correr: “vai tio, pega 60”. Bom, o tio puxava o café da Fazenda do nono Felice, e a rapaziada disputava para ver quem conseguia carregar, na cabeça, dois sacos de 60 quilos cada. Loucura, hoje as Ciências da Saúde recomendam que se carregue no máximo 25 quilos para não afetar a coluna. Bem, tenho que abrir um parêntese para dizer que as multinacionais já estão colocando no mercado saquinhos de 16 quilos de semente de milho. Imagino [ironicamente é claro] que seja para proteger a coluna dos trabalhadores, afinal quem tiver com 65 anos de idade, portanto perto da aposentadoria, não poderá reclamar.

Voltando aos carros de bois. O transporte era precário, na década de 1950/60, e as colheitas eram manuais. Para o preparo da terra usava-se tombadores, depois niveladoras [plaineis] puxados por burros ou bois e manuseados por um trabalhador que tinha que seguir o passo dos animais, nada lentos. No plantio a grande invenção era a matraca, uma ferramenta que, manuseada por um trabalhador, lançava ao solo as sementes, tanto do arroz quanto do milho, a espaço de um passo do semeador.

Na colheita, o arroz era cortado com ferrinhos apropriados, a maior parte importados da Europa, depois era levado no ombro até um batedouro [que consistia em um estrado].  O processo era todo manual, exceto o transporte que tinha o auxílio de uma carroça puxada por burro, ou cavalo. Quanto ao milho, o processo de colheita era ainda mais trabalhoso. Quando seco, primeiro quebrava-se o talo, de modo que as espigas ficassem com as pontas viradas para baixo, portanto salvaguardadas das chuvas, que escorriam pela palha, ao invés de penetrar pela espiga adentro e afetar os grãos. Depois vinha a colheita, espiga por espiga, amontoadas, colocadas a seguir em balaio e, depois, na carroça.

Para não aborrecer o leitor nem falo do pilão, do torrador e do moinho de café. Vamos à alegria da colheita atual. Caminhonetes e pick-ups cortam as estradas vicinais do município em velocidade alheia àqueles tempos sossegados dos carros de bois. Caminhões já vão se tornando obsoletos. Agora a moda são os chamados bi trens, que transportam 48 mil quilos sem se incomodarem com o asfalto, feito para suportar menos peso por eixo.  

Ah! Rabelais, que teria você pensado ao criar Gargantua e seu filho Pantagruel, capazes de devorar o que nenhum gigante àquela época conseguiria? Não creio que imaginasse uma colhedeira engolindo dois, três mil sacos de soja em um dia.

As atuais colhedeiras são de tecnologia avançada e tão caras que os seus proprietários não se arriscam deixá-las aos cuidados dos antigos funcionários. Um simples chip pode custar 10 mil reais. Por outro lado, são confortáveis, diria que até mais do que um carrão dos anos de 1970. Então, por enquanto, pode-se colher usando paletó e gravata, mas logo, com controle remoto e auxílio de drones bastara um short e uma camiseta regata para que plantio e a colheita sejam feitas.

Por tudo isso, filhos e netos daquela rapaziada dos anos de 1950/60 que migrava do campo para a cidade, hoje estão voltando para a roça.  

Desempregam agricultores arcaicos, geram o que eu chamaria de desemprego estrutural, mas os povos do mundo precisam comer. Adeus Thomas Malthus, a genética ainda vai produzir coisas inacreditáveis e restará o Mar, a Lua, Marte... Talvez nos faltem governos.

A reprodução do texto é permitida desde que citada a fonte.

Voltar

Livros

2010: O ANO QUE NÃO ACABOU PARA DOURADOS

A obra ora apresentada é uma coletânea de crônicas publicadas em diversos meios de comunicação no ano de 2010. Falam, sempre com elegância e fluidez, de nossas vidas, de acontecimentos e de possíveis eventos em nosso país, especialmente em nosso município.

Ver

MEDIEVO PORTUGUES: O REI COMO FONTE DE JUSTIÇA NAS CRÔNICAS DE FERNÃO LOPES

Nossa preocupação, nesse trabalho, foi a de estudar o comportamento dos reis, no que concerne à aplicação da Justiça, baseados nas crônicas de Fernão Lopes.

Ver

Crônicas: Educação, Cultura e Sociedade

O livro ora apresentado é um apanhado de 104 crônicas, algumas de 1978 e a maioria escrita a partir de 1995 até a presente data. O tema Educação compõe-se de 56 crônicas, outras 16 são relatos descrevendo fábulas ou estórias oriundas da cultura italiana, e os emas Cultura e Sociedade compreendem, cada um, 16 crônicas.

Ver

Crônicas: globalização, neoliberalismo e política

Esta obra foi editada em 2011 pela Editora da UFGD e reune 99 crônicas escritas principalmente nos últimos quinze anos, versando sobre a globalização, o neoliberalismo e política

Ver

[2009] EDIFICANDO A NOSSA CIDADE EDUCADORA

Esse trabalho tem três objetivos principais, cada qual contemplado em uma das três partes do livro, como se verá adiante. O primeiro é oferecer ao leitor algumas reflexões sobre temas que ocupam o nosso dia-a-dia; o segundo é divulgar os vinte princípios das Cidades Educadoras e, finalmente o terceiro, é tornar público o projeto que nos orienta na transformação de Dourados em uma Cidade Educadora e mostrar os primeiros passos para a operacionalização desse projeto.

Ver

[1998] Até aqui o Laquicho vai bem: os causos de Liberato Leite de Farias

Ao refletir sobre a importância do contador de causos/narrador para a preservação da cultura, percebe-se que cada vez menos pessoas sabem como contar/narrar, com a devida competência, as experiências do cotidiano. Por quê? Para Walter Benjamin, as ações motivadoras das experiências humanas são as mais baixas e aterradoras possíveis em tempos de barbárie; as nossas experiências acabam parecendo pequenas ou insignificantes diante da miséria e da fragmentação humana, numa constatação que extrapola os espaços nacionais.

Ver

[1991] O MOVIMENTO REIVINDICATÓRIO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL: 1978 - 1988

Momentos de grandes mobilizações têm teito do professorado de Mato do Sul a vanguarda do movimento sindicalista deste Estado. Este fato motivou a realização deste trabalho, que teve como proposta inicial analisar criticamente o movimento reivindicatóno do magistério de Mato Grosso do Sul, na perspectiva de revelar-lhe, tanto quanto possível, o perlil de luta, ao longo de sua palpitante trajetória em busca de melhorias salariais, estabilidade empregatícia e melhoria da qualidade do ensino.

Ver

Contato

Informações de Contato

biasotto@biasotto.com.br