O absolutismo seria uma tendência?

As realizações da humanidade de alguma forma se enraizavam nas mentes e passam a constituir o inconsciente coletivo, ou o imaginário social, algo tão ou ainda mais complexo.

Simplificando, o imaginário social engloba utopias, rituais, mitos, símbolos e ideologias que constituem visões de mundo e modelam condutas das sociedades, ou de grupos sociais que experimentaram, em passado, até mesmo remoto, experiências diversas. O procedimento coletivo da maioria é que provoca a preservação da ordem vigente ou contribui para rupturas que introduzem mudanças.

Tentando aplicar esse conceito de imaginário social, penso que ao longo da história da humanidade foi se forjando em um segmento social a ideia de que a vida é assim mesmo, seja por vontade divina [como se admitia na Idade Média], seja pelo mérito de pessoas “superiores” que se constituem em uma elite social. Um outro segmento pensa diferente, ou seja, que um mundo melhor sempre é possível.

Desde tempos imemoriáveis a sociedade toma forma variáveis. Mas, talvez, nem precisemos nos arriscar a ir tão longe, para o que desejo defender no momento, fiquemos apenas nas mentalidades constituídas a partir da democracia grega e do absolutismo exercido pelos reis Antigos e Medievais. 

Dessas duas vertentes de comportamento humano, é bem provável que as mentalidades atuais se dividam entre os que praticam e defendem a democracia e os que exercem ou aceitam o absolutismo das pessoas.

Lembro-me de que, quando da Revolução de Aviz, 1383-85, em Portugal, João das Regras, um advogado da época, quando precisava defender os interesses de D. João I, embora contrariasse algum Lei, afirmava que a lei é letra morta, enquanto que o rei é Lei Viva. Ora, vejam, a palavra do rei, a sua decisão, valia mais do que as próprias leis, elaboradas ao longo dos anos. Essa história do rei ter poder absoluto foi evoluindo e ganhando força de tal modo que Luís 14, rei da França, em 1655 chegou ao auge do absolutismo declarando “o Estado sou Eu” [L’état c’est moi].

Com a Revolução Francesa [1789], o absolutismo real passou a perder função, e a democracia ganhou destaque por um lapso de tempo, foi engolida pelo Império de Napoleão, mas permaneceu viva nas mentes e até hoje resiste, não obstante o absolutismo esteja presente por meio de pequenos reis, ditadores civis e miliares, golpes parlamentares que permitem reeleições infindáveis e, por incrível que possa parecer, o absolutismo foi apropriado também por  ocupantes de cargos administrativos de escalões nem tão elevados e por alguns juízes, tanto de primeira instância quanto por ocupantes do Supremo Tribunal Federal.

Ao invés de Luís 14, com o seu poderoso exército dando-lhe retaguarda, atualmente temos funcionários de escalões inferiores podendo determinar se um documento é secreto. E que dizer de alguns juízes que agem como se dissessem “a lei sou eu”. Com que retaguarda? Ah, meu Brasil, não precisamos somente formar mais médicos com urgência, necessitamos também de mais historiadores, sociólogos, antropólogos, de cientistas sociais que possam desvelar mais rapidamente os acontecimentos.

De onde proveio o poder absolutista do juiz do Supremo Tribunal, Joaquim Barbosa para instituir o “domínio do fato” como algo suficiente para incriminar e mandar prender pessoas? E Rosa Weber, também do Supremo, afirmando que “não há provas para a condenação, mas a literatura me permite condenar”. Bem, esses do Supremo já não são mais juízes, são deuses que prendem uns e soltam outros, a exemplo das atitudes de Gilmar Mendes, Fux e Toffoli. Mas, e que dizer de juízes de primeira instância, a exemplo de Moro que condena apenas por convicção, sem uma prova sequer, ou da juíza que o substituiu Gabriela Hardt, que também condena sem provas e confunde as delações?

Moro [agora ministro] e Gabriela não poderiam ter a força que tiveram para condenar Lula, por exemplo, se não houvesse por trás deles um poderoso exército, talvez mais forte do que o do próprio Luís 14 [de parlamentares, exército nacional, estrangeiro, milicianos? ]

Bem, estamos vivendo a hora do absolutismo obscurantista, aceito por grande parte da população, mas chegará o dia em que aquele segmento da população que assimilou a ideia de democracia, assumirá os destinos da humanidade, inclusive no Brasil.

A reprodução do texto é permitida desde que citada a fonte.

Voltar

Livros

2010: O ANO QUE NÃO ACABOU PARA DOURADOS

A obra ora apresentada é uma coletânea de crônicas publicadas em diversos meios de comunicação no ano de 2010. Falam, sempre com elegância e fluidez, de nossas vidas, de acontecimentos e de possíveis eventos em nosso país, especialmente em nosso município.

Ver

MEDIEVO PORTUGUES: O REI COMO FONTE DE JUSTIÇA NAS CRÔNICAS DE FERNÃO LOPES

Nossa preocupação, nesse trabalho, foi a de estudar o comportamento dos reis, no que concerne à aplicação da Justiça, baseados nas crônicas de Fernão Lopes.

Ver

Crônicas: Educação, Cultura e Sociedade

O livro ora apresentado é um apanhado de 104 crônicas, algumas de 1978 e a maioria escrita a partir de 1995 até a presente data. O tema Educação compõe-se de 56 crônicas, outras 16 são relatos descrevendo fábulas ou estórias oriundas da cultura italiana, e os emas Cultura e Sociedade compreendem, cada um, 16 crônicas.

Ver

Crônicas: globalização, neoliberalismo e política

Esta obra foi editada em 2011 pela Editora da UFGD e reune 99 crônicas escritas principalmente nos últimos quinze anos, versando sobre a globalização, o neoliberalismo e política

Ver

[2009] EDIFICANDO A NOSSA CIDADE EDUCADORA

Esse trabalho tem três objetivos principais, cada qual contemplado em uma das três partes do livro, como se verá adiante. O primeiro é oferecer ao leitor algumas reflexões sobre temas que ocupam o nosso dia-a-dia; o segundo é divulgar os vinte princípios das Cidades Educadoras e, finalmente o terceiro, é tornar público o projeto que nos orienta na transformação de Dourados em uma Cidade Educadora e mostrar os primeiros passos para a operacionalização desse projeto.

Ver

[1998] Até aqui o Laquicho vai bem: os causos de Liberato Leite de Farias

Ao refletir sobre a importância do contador de causos/narrador para a preservação da cultura, percebe-se que cada vez menos pessoas sabem como contar/narrar, com a devida competência, as experiências do cotidiano. Por quê? Para Walter Benjamin, as ações motivadoras das experiências humanas são as mais baixas e aterradoras possíveis em tempos de barbárie; as nossas experiências acabam parecendo pequenas ou insignificantes diante da miséria e da fragmentação humana, numa constatação que extrapola os espaços nacionais.

Ver

[1991] O MOVIMENTO REIVINDICATÓRIO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL: 1978 - 1988

Momentos de grandes mobilizações têm teito do professorado de Mato do Sul a vanguarda do movimento sindicalista deste Estado. Este fato motivou a realização deste trabalho, que teve como proposta inicial analisar criticamente o movimento reivindicatóno do magistério de Mato Grosso do Sul, na perspectiva de revelar-lhe, tanto quanto possível, o perlil de luta, ao longo de sua palpitante trajetória em busca de melhorias salariais, estabilidade empregatícia e melhoria da qualidade do ensino.

Ver

Contato

Informações de Contato

biasotto@biasotto.com.br