Pátria armada, Brasil

Assinado em 15 de janeiro de 2019, pelo presidente Jair Bolsonaro, o Decreto que flexibiliza o uso de armas no Brasil, motivou reações não somente em âmbito nacional, mas também internacional. A grande maioria das pessoas civilizadas são contrárias à flexibilização. Em alguns países pensa-se até mesmo no desarmamento dos policiais, imaginem. Quer dizer que eu, particularmente, ao manifestar-me contrário a esse Decreto, não sou mosca branca. Vá lá que possam existir ainda propriedades rurais onde caiba uma arma para a proteção contra animais selvagens, mas nesse caso a Lei precisaria prever a autodefesa e não crime ambiental.  E, no caso, seria uma arma, não quatro.

Um exemplo: vindo de Leste a Oeste, na Avenida Marcelino Pires, logo após a confluência com a Avenida Presidente Vargas, existia uma lanchonete que funcionava até a madrugada. Eu, que até 1976 morava em república, após as aulas que iam até 23 horas, no CEUD/UFMS [hoje UFGD], às vezes ia lanchar naquele local e presenciei um fato que comprova que uma arma na mão pode resultar em desastre. Enquanto lanchava, houve um tumulto na entrada, virei-me e eis que me deparo com Rafael Bianchi, o Faé, personagem importante no mundo futebolístico local e frequentador dos bares da cidade, segurando pelo braço e desarmando um homem que fora em sua casa buscar um revólver para matar o desafeto que se encontra naquela lanchonete. Grande Faé, não fosse a sua corajosa intervenção poderia ter havido um assassinato ou uma tragédia maior, porque a bala disparada por um revolver nas mãos de uma pessoa embriagada pode não ter direção.

Mas não é somente para pessoas embriagadas que serão liberadas as armas, mas para pessoas estressadas no trânsito, por exemplo, também. A flexibilização da posse de armas por Bolsonaro segue o exemplo dos Estados Unidos e mesmo as sucessivas tragédias que ocorrem naquele país não serviram de exemplo. Como se tudo o que é bom para eles fosse bom para nós. Em muitos aspectos os Estados Unidos não oferecem exemplos dignificantes, além do porte de armas, lá o individualismo é uma determinação histórica, a assistência social é frágil, assim como a assistência à saúde.

Ao dizer que a posse de armas "é para garantir às pessoas o legítimo direito de defesa", Bolsonaro joga nos ombros do povo uma atribuição que é de obrigação do estado. Então, assim como o estado já procura transferir ao cidadão os custos de sua própria aposentadoria e a sua responsabilidade sobre educação e saúde, agora também a autodefesa. Ora, para que servira o estado?

Mas a questão é ainda mais profunda. Imagine o cidadão com quatro armas em seu apartamento, ou em sua casa de campo. Aí viriam os bandidos, cercariam a casa e começaria o tiroteio, com os moradores postados em suas janelas. Faz-me lembrar os filmes norte-americanos sobre o Velho Oeste, com os índios cavalgando ao redor das casas e os moradores se defendendo.

Em breve virá também a liberação do porte de armas. Assim, o cidadão de bem poderá se juntar a outros quatro ou cinco e teremos vinte, vinte e cindo armas. Haja índios, sem-terra, sem-teto e gays para serem mortos.

Não só isso. Quando as instituições ficam desacreditadas podem surgir justiceiros. Por exemplo, a desembargadora Marília Castro Neves, diz que a partir de agora "Boulos será recebido com balas". Ora, tanto ela quanto o Ministro Fux, ao proibir as investigações do caso Queiroz, abrem espaço para que surjam vingadores no lugar de juízes. E ainda há o perigo da formação de milícias armadas, forças paramilitares atuando para a posse de terras indígenas, com já está ocorrendo, disputando espaço para o tráfico, promovendo chacinas e aterrorizando ainda mais os policiais brasileiros.

Pior é a constatação feita por Jânio de Freitas na Folha da última quinta-feira: “Principal incumbido do problema, Sergio Moro ainda não descobriu que a corrupção não é tudo, não é o mais difícil e nem mesmo o principal entre as obrigações do Ministério da Justiça. E entre os males mais urgentes e perigosos no país, sua atenção continua concentrada na "criminalização do caixa dois", nas "contrapartidas em doações", no "aumento de penas", por aí. Nem uma palavra, antes ou depois de empossado, sobre políticas e táticas de ação contra a violência sempre crescente”.

A reprodução do texto é permitida desde que citada a fonte.

Voltar

Livros

2010: O ANO QUE NÃO ACABOU PARA DOURADOS

A obra ora apresentada é uma coletânea de crônicas publicadas em diversos meios de comunicação no ano de 2010. Falam, sempre com elegância e fluidez, de nossas vidas, de acontecimentos e de possíveis eventos em nosso país, especialmente em nosso município.

Ver

MEDIEVO PORTUGUES: O REI COMO FONTE DE JUSTIÇA NAS CRÔNICAS DE FERNÃO LOPES

Nossa preocupação, nesse trabalho, foi a de estudar o comportamento dos reis, no que concerne à aplicação da Justiça, baseados nas crônicas de Fernão Lopes.

Ver

Crônicas: Educação, Cultura e Sociedade

O livro ora apresentado é um apanhado de 104 crônicas, algumas de 1978 e a maioria escrita a partir de 1995 até a presente data. O tema Educação compõe-se de 56 crônicas, outras 16 são relatos descrevendo fábulas ou estórias oriundas da cultura italiana, e os emas Cultura e Sociedade compreendem, cada um, 16 crônicas.

Ver

Crônicas: globalização, neoliberalismo e política

Esta obra foi editada em 2011 pela Editora da UFGD e reune 99 crônicas escritas principalmente nos últimos quinze anos, versando sobre a globalização, o neoliberalismo e política

Ver

[2009] EDIFICANDO A NOSSA CIDADE EDUCADORA

Esse trabalho tem três objetivos principais, cada qual contemplado em uma das três partes do livro, como se verá adiante. O primeiro é oferecer ao leitor algumas reflexões sobre temas que ocupam o nosso dia-a-dia; o segundo é divulgar os vinte princípios das Cidades Educadoras e, finalmente o terceiro, é tornar público o projeto que nos orienta na transformação de Dourados em uma Cidade Educadora e mostrar os primeiros passos para a operacionalização desse projeto.

Ver

[1998] Até aqui o Laquicho vai bem: os causos de Liberato Leite de Farias

Ao refletir sobre a importância do contador de causos/narrador para a preservação da cultura, percebe-se que cada vez menos pessoas sabem como contar/narrar, com a devida competência, as experiências do cotidiano. Por quê? Para Walter Benjamin, as ações motivadoras das experiências humanas são as mais baixas e aterradoras possíveis em tempos de barbárie; as nossas experiências acabam parecendo pequenas ou insignificantes diante da miséria e da fragmentação humana, numa constatação que extrapola os espaços nacionais.

Ver

[1991] O MOVIMENTO REIVINDICATÓRIO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL: 1978 - 1988

Momentos de grandes mobilizações têm teito do professorado de Mato do Sul a vanguarda do movimento sindicalista deste Estado. Este fato motivou a realização deste trabalho, que teve como proposta inicial analisar criticamente o movimento reivindicatóno do magistério de Mato Grosso do Sul, na perspectiva de revelar-lhe, tanto quanto possível, o perlil de luta, ao longo de sua palpitante trajetória em busca de melhorias salariais, estabilidade empregatícia e melhoria da qualidade do ensino.

Ver

Contato

Informações de Contato

biasotto@biasotto.com.br