Collor e Bolsonaro: discursos contínuos

O elogio de Bolsonaro a Collor em pronunciamento de 2 de janeiro, atiçou-me a curiosidade de comparação entre os dois, pelos seus discursos de posse.

Em 1990 Collor assumiu a presidência após uma dura disputa com Lula. Em 2019 Bolsonaro tomou posse depois de campanha também acirrada com o PT.

No Congresso Collor fez um discurso bem elaborado, abrangente o suficiente para demonstrar como seria o seu governo em todos os setores de atividades governamentais. Respeitaria a democracia, debelaria a inflação, deixaria por conta da iniciativa privada a dinamização da economia e completaria a privatização já iniciada em governo anterior. Em relação ao meio ambiente firmou compromisso de defender a Amazônia, o Pantanal e a Mata Atlântica. Ao falar sobre desenvolvimento social Collor afirmou que o Brasil não pode ser um gigante econômico e um pigmeu social, para remediar esse mal precisaria irrigar a economia para melhorar os padrões de nosso povo. Em relação à Educação afirmou que enfrentaria com determinação os problemas da educação de base e da qualidade do ensino superior.

A política externa seria desenvolvida na busca de uma atuação crescente e participativa, sendo que “para o Brasil, o grande espaço imediato é a América Latina, com seu epicentro econômico no Cone Sul. A tradição de amizade, de esforço pela paz regional, de cooperação e diálogo serão reforçadas. Daí a crescente importância do processo de integração latino-americana, que pretendo aprofundar”. Collor também não se esqueceu do Oriente: “Com a República Popular da China e com a Índia, dois grandes atores do cenário internacional, o Brasil tratará de ampliar e multiplicar as vias de entendimento e cooperação”. E, também, mencionou a sua posição em relação à dívida externa: “Com os países credores, tratarei de reequacionar o problema da dívida externa”. Em resumo, um discurso neoliberal, mas com olhar para a ecologia e o social.

Em comparação, o discurso de Bolsonaro no Senado, foi bem mais superficial, não aprofundou nenhuma tese em relação aos seus propósitos de governo. Restringiu-se a questões de ordem moral, na defesa da religião, da família e da propriedade. Parecendo estar ainda no palanque da campanha declarou que “quando os inimigos da pátria, da ordem e da liberdade tentaram pôr fim à minha vida, milhões de brasileiros foram às ruas. Uma campanha eleitoral transformou-se em um movimento cívico, cobriu-se de verde e amarelo, tornou-se espontâneo, forte e indestrutível, e nos trouxe até aqui”.

Mas, mesmo dentro da superficialidade de seu discurso existem projeções neoliberais: Diz querer boas escolas, mas para preparar para o mercado de trabalho e não para a militância política (...) os jovens devem conquistar, pelo mérito, bons empregos (...) o cidadão de bem merece dispor de meios para se defender”. Enfim, Bolsonaro deseja em seu discurso “Ordem e Progresso”. Sua preocupação é com o mercado e com cada um que tenha mérito em atingir objetivos.

Nenhuma consideração sobre a Assistência Social, nada sobre o Ensino Superior e, sobre política externa: “A política externa retomará seu papel na defesa da soberania, na construção da grandeza e no fomento ao desenvolvimento do Brasil”. 

Se nos discursos para o senado a retórica de Collor supera largamente a de Bolsonaro, nos respectivos segundos discursos, dirigidos ao povo, eles se assemelham, ambos com palavras fortes contra a oposição, em fragrante desrespeito às minorias.

Diz Collor, na tentativa de inflamar o povo a seu favor, que possuía a maioria e que “a minoria atrapalha, a maioria trabalha. As nossas cores são as cores da nossa bandeira; verde, amarela, azul e branca. Vamos inundar esse país de verde e amarelo”

Bolsonaro afirma que “me coloco diante de toda a nação, neste dia, como o dia em que o povo começou a se libertar do socialismo, da inversão de valores, do gigantismo estatal e do politicamente correto (...) Não podemos deixar que ideologias nefastas venham a dividir os brasileiros. Ideologias que destroem nossos valores e tradições, destroem nossas famílias, alicerce da nossa sociedade” e conclui “nossa bandeira jamais será vermelha”.

Collor robusteceu a implantação do neoliberalismo no Brasil e Bolsonaro avança nesse processo conduzindo a extrema direita ao poder, são discursos contínuos.

A reprodução do texto é permitida desde que citada a fonte.

Voltar

Livros

2010: O ANO QUE NÃO ACABOU PARA DOURADOS

A obra ora apresentada é uma coletânea de crônicas publicadas em diversos meios de comunicação no ano de 2010. Falam, sempre com elegância e fluidez, de nossas vidas, de acontecimentos e de possíveis eventos em nosso país, especialmente em nosso município.

Ver

MEDIEVO PORTUGUES: O REI COMO FONTE DE JUSTIÇA NAS CRÔNICAS DE FERNÃO LOPES

Nossa preocupação, nesse trabalho, foi a de estudar o comportamento dos reis, no que concerne à aplicação da Justiça, baseados nas crônicas de Fernão Lopes.

Ver

Crônicas: Educação, Cultura e Sociedade

O livro ora apresentado é um apanhado de 104 crônicas, algumas de 1978 e a maioria escrita a partir de 1995 até a presente data. O tema Educação compõe-se de 56 crônicas, outras 16 são relatos descrevendo fábulas ou estórias oriundas da cultura italiana, e os emas Cultura e Sociedade compreendem, cada um, 16 crônicas.

Ver

Crônicas: globalização, neoliberalismo e política

Esta obra foi editada em 2011 pela Editora da UFGD e reune 99 crônicas escritas principalmente nos últimos quinze anos, versando sobre a globalização, o neoliberalismo e política

Ver

[2009] EDIFICANDO A NOSSA CIDADE EDUCADORA

Esse trabalho tem três objetivos principais, cada qual contemplado em uma das três partes do livro, como se verá adiante. O primeiro é oferecer ao leitor algumas reflexões sobre temas que ocupam o nosso dia-a-dia; o segundo é divulgar os vinte princípios das Cidades Educadoras e, finalmente o terceiro, é tornar público o projeto que nos orienta na transformação de Dourados em uma Cidade Educadora e mostrar os primeiros passos para a operacionalização desse projeto.

Ver

[1998] Até aqui o Laquicho vai bem: os causos de Liberato Leite de Farias

Ao refletir sobre a importância do contador de causos/narrador para a preservação da cultura, percebe-se que cada vez menos pessoas sabem como contar/narrar, com a devida competência, as experiências do cotidiano. Por quê? Para Walter Benjamin, as ações motivadoras das experiências humanas são as mais baixas e aterradoras possíveis em tempos de barbárie; as nossas experiências acabam parecendo pequenas ou insignificantes diante da miséria e da fragmentação humana, numa constatação que extrapola os espaços nacionais.

Ver

[1991] O MOVIMENTO REIVINDICATÓRIO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL: 1978 - 1988

Momentos de grandes mobilizações têm teito do professorado de Mato do Sul a vanguarda do movimento sindicalista deste Estado. Este fato motivou a realização deste trabalho, que teve como proposta inicial analisar criticamente o movimento reivindicatóno do magistério de Mato Grosso do Sul, na perspectiva de revelar-lhe, tanto quanto possível, o perlil de luta, ao longo de sua palpitante trajetória em busca de melhorias salariais, estabilidade empregatícia e melhoria da qualidade do ensino.

Ver

Contato

Informações de Contato

biasotto@biasotto.com.br