“Parem de colar senão eu choro”

Era a primeira avaliação do ano. A professora mal distribuirá as provas e já se iniciara o tumulto. Acintosamente os alunos abriam seus cadernos, passavam entre si papéis com anotações, espichavam os pescoços para a frente, para trás, para os lados, mais parecendo uma aula de Educação Física, na hora do alongamento. Isso tudo sem contar a vozeria que se propagava pelos corredores prejudicando o andamento de outras aulas.

Pela cabeça da jovem professora, recém-formada e incapaz de qualquer atitude eficaz, como num turbilhão passavam infindos pensamentos. Devia ter sido advogada, como pretendera o pai, mas desviou logo esse pensamento admitindo que faculdade particular é para classe média, para gente que tem uma renda compatível com o preço das altas mensalidades, mesmo que isso signifique sacrifícios para a alimentação habitação e lazer.

Em curso que exige dedicação integral nem pensar, sua formação de primeiro e segundo graus não lhe permitiria sequer a audácia de tentar um vestibular. Bem fizera. Não vira o primo, um menino muito bem-dotado de inteligência que ingressara na UNICAMP, num desses cursos, mas que desistira pouco antes de completar o primeiro semestre? Os pais não podiam arcar com nenhuma despesa, é verdade, mas não que lhe tivesse faltado outro tipo de solidariedade: uns colegas, com certeza mais privilegiados, permitiam que pulasse a janela da garagem que alugavam e dormisse com eles. O inconveniente era esperar até a hora que a senhoria se recolhesse, normalmente tarde. Além do sono não lhe satisfazer as necessidades acabava incomodando os colegas. Depois, nem só de sono e lições vive o estudante, o almoço do restaurante universitário não era suficiente ... Compreendia bem porque o rapaz não aguentara seis meses e dera para beber, um frustrado, isso é o que era.

Ela ao menos tinha conseguido um diploma, e em ciências exatas. É certo que pouco tempo passara por laboratórios, mas tinha visto alguns protozoários em microscópio, coisa bem diferente de seus colegas pedagogos, geógrafos e historiadores que, quanto muito leram alguns alfarrábios para se formarem.

O reboliço dos alunos trouxe-a de volta do mundo das divagações para o da realidade. Na verdade, o que a fez acordar daquela espécie de transe hipnótico foi uma frase mais incisiva de um aluno afirmando categoricamente que aquela classe já fora responsável pelo internamento de uma professora em manicômio.

Não que acreditasse que alunos fossem capazes de enlouquecer professores, mas porque lhe fizera lembrar de um compromisso: haveria de passar pelo hospital no intervalo do almoço para visitar uma colega mais velha, já na casa dos cinquenta, que quebrara alguns ossos em consequência de uma queda.

Coisa lamentável, pensava a jovem professora, a enferma ficara oito dias em sua própria casa aguardando a prótese que lhe reabilitaria, sofrendo sabe-se lá quanta dor, e agora, já internada, sequer sabia que deveria arcar com as despensas, pois seu instituto de previdência estava inadimplente há meses, portanto sem crédito junto aos médicos e hospitais.

Tantos anos de contribuição mensal e no momento da necessidade... Onde teria sido enfiado o dinheiro da Previdência, pensou, mas logo concluiu que esse tipo de reflexão não era da sua alçada. Pôs, pois a pensar de onde a colega tiraria tão vultuosa importância, se ao longo dos anos dedicados ao magistério não havia conseguido sequer amealhar recursos para comprar-se um carro, mesmo que usado? Usado, porque o tal carro popular é coisa para o povo, categoria social ainda não atingida pelos seus colegas de profissão.

A classe em prova, onde se presume a existência de um ambiente próprio à reflexão era um alarido.

E a professora, que até então entre um pensamento e outro, pedia silencio, respeito e coisas do gênero, de repente, soltou a voz da garganta para sintetizar numa frase, a sua impotência e angustia diante de um quadro cuja autoria não lhe pode ser atribuída com exclusividade: “Parem de colar senão eu choro’

  publicado em O Progresso em 2/071996

A reprodução do texto é permitida desde que citada a fonte.

Voltar

Livros

2010: O ANO QUE NÃO ACABOU PARA DOURADOS

A obra ora apresentada é uma coletânea de crônicas publicadas em diversos meios de comunicação no ano de 2010. Falam, sempre com elegância e fluidez, de nossas vidas, de acontecimentos e de possíveis eventos em nosso país, especialmente em nosso município.

Ver

MEDIEVO PORTUGUES: O REI COMO FONTE DE JUSTIÇA NAS CRÔNICAS DE FERNÃO LOPES

Nossa preocupação, nesse trabalho, foi a de estudar o comportamento dos reis, no que concerne à aplicação da Justiça, baseados nas crônicas de Fernão Lopes.

Ver

Crônicas: Educação, Cultura e Sociedade

O livro ora apresentado é um apanhado de 104 crônicas, algumas de 1978 e a maioria escrita a partir de 1995 até a presente data. O tema Educação compõe-se de 56 crônicas, outras 16 são relatos descrevendo fábulas ou estórias oriundas da cultura italiana, e os emas Cultura e Sociedade compreendem, cada um, 16 crônicas.

Ver

Crônicas: globalização, neoliberalismo e política

Esta obra foi editada em 2011 pela Editora da UFGD e reune 99 crônicas escritas principalmente nos últimos quinze anos, versando sobre a globalização, o neoliberalismo e política

Ver

[2009] EDIFICANDO A NOSSA CIDADE EDUCADORA

Esse trabalho tem três objetivos principais, cada qual contemplado em uma das três partes do livro, como se verá adiante. O primeiro é oferecer ao leitor algumas reflexões sobre temas que ocupam o nosso dia-a-dia; o segundo é divulgar os vinte princípios das Cidades Educadoras e, finalmente o terceiro, é tornar público o projeto que nos orienta na transformação de Dourados em uma Cidade Educadora e mostrar os primeiros passos para a operacionalização desse projeto.

Ver

[1998] Até aqui o Laquicho vai bem: os causos de Liberato Leite de Farias

Ao refletir sobre a importância do contador de causos/narrador para a preservação da cultura, percebe-se que cada vez menos pessoas sabem como contar/narrar, com a devida competência, as experiências do cotidiano. Por quê? Para Walter Benjamin, as ações motivadoras das experiências humanas são as mais baixas e aterradoras possíveis em tempos de barbárie; as nossas experiências acabam parecendo pequenas ou insignificantes diante da miséria e da fragmentação humana, numa constatação que extrapola os espaços nacionais.

Ver

[1991] O MOVIMENTO REIVINDICATÓRIO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL: 1978 - 1988

Momentos de grandes mobilizações têm teito do professorado de Mato do Sul a vanguarda do movimento sindicalista deste Estado. Este fato motivou a realização deste trabalho, que teve como proposta inicial analisar criticamente o movimento reivindicatóno do magistério de Mato Grosso do Sul, na perspectiva de revelar-lhe, tanto quanto possível, o perlil de luta, ao longo de sua palpitante trajetória em busca de melhorias salariais, estabilidade empregatícia e melhoria da qualidade do ensino.

Ver

Contato

Informações de Contato

biasotto@biasotto.com.br