A cadela do fascismo está sempre no cio

A frase título dessa crônica é de Bertold Brecht, um teatrólogo que combateu tenazmente os propósitos de Hitler. Tornou-se marxista, provavelmente para alicerçar as suas ideias no combate ao nazismo O nazismo é filho legítimo do fascismo italiano. Com a eleição democrática [disse democrática] de Hitler em 1933, o nazismo firmou-se como uma força capaz de tentar reerguer o Sacro Império Romano Germânico, aparecia como a salvação da Alemanha. Nomeou-se “Partido Nacional Socialista Alemão” uma dessas fantásticas armações de marketing, que não surgiu de hoje. Na verdade, a denominação “socialista” é uma estrondosa mentira, de “socialista” não tinha absolutamente nada, foi a mais radical ultradireita que surgiu na face da Terra.

Li minha luta [Meins Kampf] de Hitler, li também algumas obras de Brecht e digo-lhes: “Santo Deus”, sou contra extermínio de judeus, de muçulmanos, de cristãos, sou contra as armas, contra as guerras. Sou muito mais Brecht e jamais Hitler.

Brecht, com o estabelecimento do nazismo, exilou-se, passando por sete países e, por último para os Estados Unidos.

Pois bem, dias atrás postei do FACE a frase “A cadela do fascismo está sempre no cio” e uma amiga repudiou-me dizendo que me admirava, mas que depois dessa postagem, estava com nojo de mim. Respondi-lhe, tentando explicar-me, o que passo a fazer também publicamente.

A cadela fascista tem nome, Brecht sabia de sua história: chamava-se Irma Grese, uma torturadora insana, sempre com o chicote nas mãos. “Era um anjo da morte”, mas poupava por algum tempo as judias com as quais se relacionava sexualmente, ou com judeus que lhe agradassem. Em 1945 foi condenada à morte por um tribunal inglês, em Lüneberg, sem jamais se arrepender de seus atos sanguinários.

Irma Grese, não é simplesmente uma insana, para Brecht ela representava uma ideia, uma ideologia, uma representação, talvez primitiva, mas que encontra no imaginário coletivo muitos defensores de seus ideais.

Provavelmente essa amiga que passou a ter nojo de mim tivesse pensado que eu quisesse dizer que as mulheres que votaram em Bolsonaro eram cadelas. Não é isso.

Em minha opinião, grupos distintos, quatro fatores levaram à eleição de Bolsonaro. No Brasil, desde o final do governo Lula iniciou-se um processo de desconstrução do PT, especialmente pela Globo, mas subsidiada pela mídia interiorana, a corrupção era o mal do Brasil e o PT o responsável por isso. Falácia, a corrupção é um mal que no Brasil remonta ao tempo do Império. Esse processo de “destruição” do PT gerou ódio ao partido, mesmo porque ele sempre foi antagônico ao modo capitalista de pensar. Sérgio Moro foi o artífice na prisão de Lula, um fiel oposicionista à política do Estado de Bem-Estar Social.

Os “inocentes úteis” foram gerados por essa intensa propaganda direta, nada subliminar. São os que acham que os seus patrões são os seus ídolos, os responsáveis pela sua subsistência. Não conseguem entender que eles é que sustentam os patrões e não os seus patrões que os sustentam.

O segundo fator é que, segundo Castoriades, a classe dominante não consegue mistificar a classe trabalhadora sem mistificar-se a si mesma. Significa dizer, a classe dominante brasileira acredita piamente na meritocracia. “Eu venci”, você não venceu porque não trabalhou. Apesar desse pensamento ser tortuoso, é o que crê parte da elite econômica.

O terceiro grupo, felizmente minoritário, é o grupo dos fascistas. Esses amedrontam. São os defensores na exterminação dos adversários. Embora talvez nem conheçam a história de Irma Grese, pensam como ela. Mas é paradoxal, pois os fascistas desejam o extermínio de tansgêneros, mas a “cadela do fascismo” era bissexual. Desconheço se as judias que prolongaram alguns meses as suas vidas se sentiam felizes quanto ela, desconheço também se  Grese engravidou de um judeu ou de um ariano.

Por fim, mas não menos importante, o quarto fator. Há um grupo de eleitores esclarecidos que sabe exatamente que existe um modo de pensar capitalista [e conhece também o que é comunismo e socialismo] e opta por ser de direita por entender que essa é a forma de resolver os problemas da humanidade. Esse grupo se identificaria melhor com Alkimin, Amoêdo e Meirelles, mas sem opção para o segundo turno escolheu a ultradireita. 

A reprodução do texto é permitida desde que citada a fonte.

Voltar

Livros

2010: O ANO QUE NÃO ACABOU PARA DOURADOS

A obra ora apresentada é uma coletânea de crônicas publicadas em diversos meios de comunicação no ano de 2010. Falam, sempre com elegância e fluidez, de nossas vidas, de acontecimentos e de possíveis eventos em nosso país, especialmente em nosso município.

Ver

MEDIEVO PORTUGUES: O REI COMO FONTE DE JUSTIÇA NAS CRÔNICAS DE FERNÃO LOPES

Nossa preocupação, nesse trabalho, foi a de estudar o comportamento dos reis, no que concerne à aplicação da Justiça, baseados nas crônicas de Fernão Lopes.

Ver

Crônicas: Educação, Cultura e Sociedade

O livro ora apresentado é um apanhado de 104 crônicas, algumas de 1978 e a maioria escrita a partir de 1995 até a presente data. O tema Educação compõe-se de 56 crônicas, outras 16 são relatos descrevendo fábulas ou estórias oriundas da cultura italiana, e os emas Cultura e Sociedade compreendem, cada um, 16 crônicas.

Ver

Crônicas: globalização, neoliberalismo e política

Esta obra foi editada em 2011 pela Editora da UFGD e reune 99 crônicas escritas principalmente nos últimos quinze anos, versando sobre a globalização, o neoliberalismo e política

Ver

[2009] EDIFICANDO A NOSSA CIDADE EDUCADORA

Esse trabalho tem três objetivos principais, cada qual contemplado em uma das três partes do livro, como se verá adiante. O primeiro é oferecer ao leitor algumas reflexões sobre temas que ocupam o nosso dia-a-dia; o segundo é divulgar os vinte princípios das Cidades Educadoras e, finalmente o terceiro, é tornar público o projeto que nos orienta na transformação de Dourados em uma Cidade Educadora e mostrar os primeiros passos para a operacionalização desse projeto.

Ver

[1998] Até aqui o Laquicho vai bem: os causos de Liberato Leite de Farias

Ao refletir sobre a importância do contador de causos/narrador para a preservação da cultura, percebe-se que cada vez menos pessoas sabem como contar/narrar, com a devida competência, as experiências do cotidiano. Por quê? Para Walter Benjamin, as ações motivadoras das experiências humanas são as mais baixas e aterradoras possíveis em tempos de barbárie; as nossas experiências acabam parecendo pequenas ou insignificantes diante da miséria e da fragmentação humana, numa constatação que extrapola os espaços nacionais.

Ver

[1991] O MOVIMENTO REIVINDICATÓRIO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL: 1978 - 1988

Momentos de grandes mobilizações têm teito do professorado de Mato do Sul a vanguarda do movimento sindicalista deste Estado. Este fato motivou a realização deste trabalho, que teve como proposta inicial analisar criticamente o movimento reivindicatóno do magistério de Mato Grosso do Sul, na perspectiva de revelar-lhe, tanto quanto possível, o perlil de luta, ao longo de sua palpitante trajetória em busca de melhorias salariais, estabilidade empregatícia e melhoria da qualidade do ensino.

Ver

Contato

Informações de Contato

biasotto@biasotto.com.br