As duas opções para as eleições de outubro

Já alertava o velho rei Salomão, do alto de sua sabedoria que “os sábios estão sempre dispostos a ouvir o que outras pessoas têm a dizer, porque sabem que têm muito a aprender, principalmente com críticas e conselhos sinceros. Os tolos, pelo contrário, estão sempre dispostos a falar e se julgam sempre certos. Por não terem a humildade de aprender com outras pessoas, conquistam poucas coisas em suas vidas”.

É bem verdade, o que prova que pouquíssimos são os sábios que habitam o nosso planeta, mesmo porque como disse Ítalo Calvino [Cidades Invisíveis], “quem comanda a narrativa são ouvidos”, o que significa dizer que ouvimos aquilo que nos interessa, ou seja, o que vai ao encontro das nossas próprias convicções. Então, segundo esse conceito, não ouvimos para aprender, mas apenas para reforçar as nossas ideias.

Tratando-se de futebol ou política as coisas se exacerbam. No futebol dificilmente admitimos que o nosso time é inferior quando perde. Na política, principalmente em época de eleições, as paixões também se manifestam, afloram de tal forma que muitos são os que perdem a civilidade e compostura.

Tempos atrás as rivalidades se evidenciavam principalmente em torno de nomes: Jânio ou Ademar, Wilson Martins ou Pedrossian? Atualmente as posições ocorrem muito mais por fatores ideológicos do que propriamente por questões pessoais. Nesse sentido é que escrevo essa crônica, na esperança de que muitos leitores haverão de aprecia-la com a sabedoria de Salomão, concordando ou não com ela.

Assim como os grandes rios têm os seus afluentes, também as grandes teorias têm variações, mas grosso modo duas correntes principais e antagônicas disputam as eleições de 2018: o neoliberalismo e o estado de bem-estar social.

A corrente neoliberal deriva do liberalismo econômico, cujas ideias foram defendidas pelo economista e filósofo escocês Adam Smith. A ideia central do liberalismo é o laissez faire, ou seja, deixe fazer. Significa a defesa da economia livre, que o Estado não deve intervir. Smith postulou a existência de uma “mão invisível”, no mercado, algo parecido com a lei de oferta e procura, dispensando a intervenção do Estado.

O liberalismo econômico radicalizou-se com a queda do Muro de Berlim, símbolo do fim do socialismo real, surgindo então um novo liberalismo [neoliberalismo] que tem por princípio básico a existência de um Estado Mínimo, a defesa intransigente da livre iniciativa e a ideia da meritocracia, ou seja, somos aquilo que somos graças aos nossos próprios méritos. O Estado, segundo essa teoria, não tem nada a ver com isso.

Quanto ao Estado de Bem-Estar Social, desejo enfatizar que essa teoria não é derivada da tese comunista de Marx. Em uma sociedade comunista as propriedades e os meios de produção pertenceriam ao Estado, que a princípio controlaria tudo, mas com o passar do tempo deixaria de existir porque a sociedade evoluiria de tal forma que desapareceriam as barreiras de classe, todos seriam iguais e dariam conta de se autogerirem.

O keinesianismo ou estado de bem-estar social foi a solução encontrada por Keynes para pôr fim à Grande Depressão. Ele afirmou que o Estado tinha obrigação de intervir na economia em tempos de crise, para mantê-la de pé. Foi o que fizeram os Estados Unidos após a quebra da bolsa de Nova Iorque em 1929 e o Plano Marshall, pós-segunda Guerra Mundial, para recuperar a Europa. O sucesso da recuperação dos Estados Unidos e da Europa esteve diretamente ligado aos elevados investimentos desses governos na Economia.

Nas eleições desse ano de 2018 estão em disputa dois projetos: o neoliberal [defesa do livre mercado], defendido pelos candidatos de direita, enquanto que o modelo do Estado de Bem-Estar Social [indutor de desenvolvimento com investimentos em obras de infraestrutura] é defendido pelos candidatos de esquerda. Não me parece haver meio termo

A grande verdade é que apesar de sermos sujeitos da história, diante de nós encontram-se circunstâncias que tanto podem nos favorecer em nossos projetos quanto dificultar as nossas ações. Mas, de uma forma ou outra estaremos todos, de direita ou esquerda, semeando as nossas sementes e procurando gerar as circunstâncias necessárias para edificarmos o nosso futuro.

Eleição é coisa séria, muito séria. Nossa opção definirá os rumos do Brasil.

A reprodução do texto é permitida desde que citada a fonte.

Voltar

Livros

2010: O ANO QUE NÃO ACABOU PARA DOURADOS

A obra ora apresentada é uma coletânea de crônicas publicadas em diversos meios de comunicação no ano de 2010. Falam, sempre com elegância e fluidez, de nossas vidas, de acontecimentos e de possíveis eventos em nosso país, especialmente em nosso município.

Ver

MEDIEVO PORTUGUES: O REI COMO FONTE DE JUSTIÇA NAS CRÔNICAS DE FERNÃO LOPES

Nossa preocupação, nesse trabalho, foi a de estudar o comportamento dos reis, no que concerne à aplicação da Justiça, baseados nas crônicas de Fernão Lopes.

Ver

Crônicas: Educação, Cultura e Sociedade

O livro ora apresentado é um apanhado de 104 crônicas, algumas de 1978 e a maioria escrita a partir de 1995 até a presente data. O tema Educação compõe-se de 56 crônicas, outras 16 são relatos descrevendo fábulas ou estórias oriundas da cultura italiana, e os emas Cultura e Sociedade compreendem, cada um, 16 crônicas.

Ver

Crônicas: globalização, neoliberalismo e política

Esta obra foi editada em 2011 pela Editora da UFGD e reune 99 crônicas escritas principalmente nos últimos quinze anos, versando sobre a globalização, o neoliberalismo e política

Ver

[2009] EDIFICANDO A NOSSA CIDADE EDUCADORA

Esse trabalho tem três objetivos principais, cada qual contemplado em uma das três partes do livro, como se verá adiante. O primeiro é oferecer ao leitor algumas reflexões sobre temas que ocupam o nosso dia-a-dia; o segundo é divulgar os vinte princípios das Cidades Educadoras e, finalmente o terceiro, é tornar público o projeto que nos orienta na transformação de Dourados em uma Cidade Educadora e mostrar os primeiros passos para a operacionalização desse projeto.

Ver

[1998] Até aqui o Laquicho vai bem: os causos de Liberato Leite de Farias

Ao refletir sobre a importância do contador de causos/narrador para a preservação da cultura, percebe-se que cada vez menos pessoas sabem como contar/narrar, com a devida competência, as experiências do cotidiano. Por quê? Para Walter Benjamin, as ações motivadoras das experiências humanas são as mais baixas e aterradoras possíveis em tempos de barbárie; as nossas experiências acabam parecendo pequenas ou insignificantes diante da miséria e da fragmentação humana, numa constatação que extrapola os espaços nacionais.

Ver

[1991] O MOVIMENTO REIVINDICATÓRIO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL: 1978 - 1988

Momentos de grandes mobilizações têm teito do professorado de Mato do Sul a vanguarda do movimento sindicalista deste Estado. Este fato motivou a realização deste trabalho, que teve como proposta inicial analisar criticamente o movimento reivindicatóno do magistério de Mato Grosso do Sul, na perspectiva de revelar-lhe, tanto quanto possível, o perlil de luta, ao longo de sua palpitante trajetória em busca de melhorias salariais, estabilidade empregatícia e melhoria da qualidade do ensino.

Ver

Contato

Informações de Contato

biasotto@biasotto.com.br