O Estado pós-democrático

É atribuída ao rei Salomão a expressão “não há nada de novo sob o sol”. Do alto de sua sabedoria não creio que ele tenha de fato proferido tal sentença, mas se o fez é porque não imaginava à sua época a velocidade das transformações que ocorrem atualmente. Sempre há algo de novo, não somente sob o sol, mas também além do sol. No campo das ciências sociais, por exemplo, estamos vivenciando o estabelecimento do que se convencionou chamar “estado pós-democrático”, título do livro do professor e juiz de direito Rubens Casara.

Velhos e bons tempos aqueles quando Abraham Lincoln definiu democracia como sendo “o governo do povo, pelo povo e para o povo”, atualmente vivemos a era dos pós: pós-moderno, pós-verdade, pós-impressionismo, pós-significado e, agora, pós-democracia. Não se trata exatamente do fim da democracia, mas a mudança do seu significado. A definição tão bem sintetizada de Lincoln para o termo perdeu o sentido, o povo deixou de ser sujeito de sua própria história para se tornar em elemento até mesmo indesejável. Nesse ponto entra a pós-verdade, não propriamente uma mentira, mas uma simulação de que o povo não é indesejável, mas sim necessário [deu diria útil]. Difícil desvelar, mas não impossível. Bastaria retirar-se a obrigatoriedade do voto para se ter a certeza de que o próprio povo, em sua maioria, se absteria de votar por considerar a sua participação na democracia plenamente dispensável, justamente por entender que o seu voto, expressão de seus anseios, não será correspondido. Desiludido, o eleitor já não crê que o seu candidato vá representa-lo, mas que representará os interesses do mercado.

O livro de Casara nos leva a entender não apenas o que seja a pós-democracia como também o porquê de sua existência. “A pós-democracia [...] caracteriza-se pela transformação de toda prática humana em mercadoria, pela mutação simbólica através da qual todos os valores perdem importância e passam a ser tratados como mercadorias, portanto disponíveis para uso e gozo seletivo”.

O sistema que provoca essa transformação na democracia é o neoliberalismo, ou seja, a radicalização do liberalismo econômico, o ultra liberalismo.  É sabido que o neoliberalismo dispensa a democracia, haja vista a sua aplicação no Chile durante a sangrenta ditadura do general Pinochet que liberalizou a economia, provocando elevada concentração de renda em mãos dos ricos, utilizando-se da repressão. Mas como esse modelo sangrento, implantado também no Brasil, Uruguai e Argentina esgotou-se, veio a pós-democracia.

No Brasil a pós-democracia assenta-se em um Estado Mínimo no que diz respeito à ordem econômica e, ao contrário, em um Estado poderoso para garantir privilégios seletivos. Em relação ao Judiciário, diz o juiz Casara que “O Poder Judiciário na pós-democracia deixa de ser o garantidor dos direitos fundamentais [...] para assumir a função política de regulador das expectativas dos consumidores. Por um lado, a pós-democracia induz à produção massificada de decisões judiciais, a partir do uso de modelos padronizados, chavões argumentativos e discursos de fundamentação prévia, tudo como forma de aumentar a produtividade, agradar parcela dos consumidores, exercer o controle social da população, facilitar a acumulação e proteger o mercado. De outro, o Poder Judiciário passa a gerir/dirigir julgamentos que passam a seguir a lógica própria aos espetáculos, que agradam aos espectadores (também consumidores) do sistema de justiça”.

Essa definição, por um juiz de direito nos leva a crer que o Judiciário se encontra dividido entre aqueles que observam a Constituição e as Leis gerais [garantidoras dos direitos fundamentais] e os que preferem optar por novas alternativas, como o “domínio do fato” e as “convicções”. Sem contar com o absurdo “princípio da colegialidade”, ou seja, mesmo que o Supremo tenha tomado uma decisão inconstitucional [como a proferida em 2016 sobre condenação em segunda instância] uma ministra argumenta que a decisão do colegiado é superior à própria Constituição que, em seu artigo 5º, parágrafo LVII determina que “ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória”.

O livro de Casara é complexo, difícil resenha-lo em uma crônica, mas fica ao menos a instigação para o tema.

Replica Watches

A reprodução do texto é permitida desde que citada a fonte.

Voltar

Livros

2010: O ANO QUE NÃO ACABOU PARA DOURADOS

A obra ora apresentada é uma coletânea de crônicas publicadas em diversos meios de comunicação no ano de 2010. Falam, sempre com elegância e fluidez, de nossas vidas, de acontecimentos e de possíveis eventos em nosso país, especialmente em nosso município.

Ver

MEDIEVO PORTUGUES: O REI COMO FONTE DE JUSTIÇA NAS CRÔNICAS DE FERNÃO LOPES

Nossa preocupação, nesse trabalho, foi a de estudar o comportamento dos reis, no que concerne à aplicação da Justiça, baseados nas crônicas de Fernão Lopes.

Ver

Crônicas: Educação, Cultura e Sociedade

O livro ora apresentado é um apanhado de 104 crônicas, algumas de 1978 e a maioria escrita a partir de 1995 até a presente data. O tema Educação compõe-se de 56 crônicas, outras 16 são relatos descrevendo fábulas ou estórias oriundas da cultura italiana, e os emas Cultura e Sociedade compreendem, cada um, 16 crônicas.

Ver

Crônicas: globalização, neoliberalismo e política

Esta obra foi editada em 2011 pela Editora da UFGD e reune 99 crônicas escritas principalmente nos últimos quinze anos, versando sobre a globalização, o neoliberalismo e política

Ver

[2009] EDIFICANDO A NOSSA CIDADE EDUCADORA

Esse trabalho tem três objetivos principais, cada qual contemplado em uma das três partes do livro, como se verá adiante. O primeiro é oferecer ao leitor algumas reflexões sobre temas que ocupam o nosso dia-a-dia; o segundo é divulgar os vinte princípios das Cidades Educadoras e, finalmente o terceiro, é tornar público o projeto que nos orienta na transformação de Dourados em uma Cidade Educadora e mostrar os primeiros passos para a operacionalização desse projeto.

Ver

[1998] Até aqui o Laquicho vai bem: os causos de Liberato Leite de Farias

Ao refletir sobre a importância do contador de causos/narrador para a preservação da cultura, percebe-se que cada vez menos pessoas sabem como contar/narrar, com a devida competência, as experiências do cotidiano. Por quê? Para Walter Benjamin, as ações motivadoras das experiências humanas são as mais baixas e aterradoras possíveis em tempos de barbárie; as nossas experiências acabam parecendo pequenas ou insignificantes diante da miséria e da fragmentação humana, numa constatação que extrapola os espaços nacionais.

Ver

[1991] O MOVIMENTO REIVINDICATÓRIO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL: 1978 - 1988

Momentos de grandes mobilizações têm teito do professorado de Mato do Sul a vanguarda do movimento sindicalista deste Estado. Este fato motivou a realização deste trabalho, que teve como proposta inicial analisar criticamente o movimento reivindicatóno do magistério de Mato Grosso do Sul, na perspectiva de revelar-lhe, tanto quanto possível, o perlil de luta, ao longo de sua palpitante trajetória em busca de melhorias salariais, estabilidade empregatícia e melhoria da qualidade do ensino.

Ver

Contato

Informações de Contato

biasotto@biasotto.com.br