Estrelas brilham e indicam caminhos

Braguinha e Noel, em “As Pastorinhas”, imortalizaram: “A Estrela Dalva, no céu desponta, e a lua anda tonta, com tamanho esplendor...” A Estrela Dalva sequer é uma estrela, é o planeta Vênus, mas brilha e, não à toa, as estrelas são cantadas em versos e prosa. Houve até quem dissesse “ouvir estrelas”. Poesia de Olavo Bilac, transformada em música por Kid Abelha diz que não é um tresloucado quem ouve as estrelas, mas só quem ama: “Vos direi: Amai para entendê-las! Pois só quem ama pode ter ouvido capaz de ouvir e de entender estrelas".

Quantas poesias, músicas e nomes derivam de estrelas? Estela [de estrela], Altair [que voa – da constelação Águia], Maia [mãe: da constelação Taurus], Alcione [de Taurus], sem contar que na ladainha de Nossa Senhora ela é invocada como Stella Matutina [Estrela da Manhã].

Porque brilham, nos encantam e nos aquecem [o sol], as estrelas transformaram-se também em símbolos. A estrela de David, seu escudo de seis pontas, é um consagrado símbolo judaico. A estrela de quatro pontas é a “Estrela de Belém”, que representa o nascimento de Jesus e foi a guia dos três reis magos. Cinco foram as chagas de Cristo, cinco pontas têm a estrela que as simbolizam. E tem estrelas até com doze pontas e estrelas cadentes [na verdade meteoros] que simbolizam o bom presságio, tanto que é costume formular-se um desejo quando vemos alguma.

Estrelas são comuns até nas camisas de clubes futebolísticos, marcando as suas conquistas. O Palmeiras acrescentou em seu uniforme uma estrela vermelha, significando a conquista do campeonato mundial de 1951. E o Botafogo tem a mais famosa, a estrela solitária.

O poderoso valor simbólico das estrelas não se fez ausente também entre partidos políticos, a exemplo do  movimento antissistema “Cinco Estrelas”, na Itália; a “Estrela Vermelha”, adotada pela Rússia desde a implantação do socialismo e até hoje utilizada, com a subtração da foice e do martelo de seu centro.

No Brasil dois partidos têm estrelas como símbolos: o PSOL e o PT. Em Mato Grosso do Sul, Pedro Pedrosian usou uma estrela de cinco pontas como logomarca. Em “O Pescador de Sonhos” ele afirma que “Embora não seja místico, sempre acreditei ter uma estrela para me definir a missão ou, pelo menos, me acompanhar nos momentos cruciais da vida”.

Sobre a estrela do PT, a professora Tânia Almeida, IWC Replica Watches em artigo de 2008 explica o porquê de a estrela petista ter cinco pontas: “Se tivesse três pontas, lembraria a Mercedes Benz. Se tivesse quatro, lembraria os brinquedos Estrela. Se tivesse seis, lembraria os judeus. Mas com cinco, lembra Lampião, Che Guevara, Juventude” [a estrela no chapéu de Lampião tinha 6 pontas, a de Che Guevara 5]. Quanto as cores, o vermelho simboliza o militante aguerrido, vigoroso em sua disposição para a transformação da sociedade e o branco simboliza a paz [a sugestão da cor branca foi de Frei Beto].

Estrelas resplandecem também na bandeira brasileira. Diz a Lei 5443, de 28 de maio de 1968, que as constelações de nossa bandeira correspondem ao aspecto do céu visto do Rio de Janeiro às oito horas e trinta minutos, de 15 de novembro de 1889.

Dourados tem as suas estrelas espalhadas pelos residenciais edificados na gestão do prefeito Tetila, umas vinte. Lembro-me de algumas: Estrela Vera, Kairos, Tovy, Jupi, Pytã, Porã, Piahu, Hory, Poravi, Poty, Monoti, Yavatê, Piaru, dentre outras.

Estrelas significam tantas coisas bonitas e brilhantes que Tetila pensou em homenagear os índios de nossa região, www.replicawatchuse.com e alegou que não pôs estrela em guarani devido à dificuldade de pronúncia: “mbdja”, mas a Justiça entendeu que ele quis homenagear o PT.  Cheap Replica Watches Em seu veredicto o magistrado afirmou que “não houve lesão relevante aos cofres públicos ou enriquecimento ilícito”, mas sapecou-lhe uma multa equivalente ao que ele ganhou em um ano de salário como prefeito, Cartier Replica Watches e com correção.

Se nos bairros houvesse imagens de estrelas esculpidas, na forma e cor da estrela do PT [como usou Pedrosian com a sua estrela] a condenação seria justa, mas penso que a Justiça precisou de muita criatividade para associar a palavra “estrela” ao PT. Politicamente Tetila teria ganho muito mais caso tivesse nominado esses bairros com nomes de pessoas, as famílias agradeceriam. Mas a Justiça julga, as estrelas apenas brilham e indicam caminhos.

A reprodução do texto é permitida desde que citada a fonte.

Voltar

Livros

2010: O ANO QUE NÃO ACABOU PARA DOURADOS

A obra ora apresentada é uma coletânea de crônicas publicadas em diversos meios de comunicação no ano de 2010. Falam, sempre com elegância e fluidez, de nossas vidas, de acontecimentos e de possíveis eventos em nosso país, especialmente em nosso município.

Ver

MEDIEVO PORTUGUES: O REI COMO FONTE DE JUSTIÇA NAS CRÔNICAS DE FERNÃO LOPES

Nossa preocupação, nesse trabalho, foi a de estudar o comportamento dos reis, no que concerne à aplicação da Justiça, baseados nas crônicas de Fernão Lopes.

Ver

Crônicas: Educação, Cultura e Sociedade

O livro ora apresentado é um apanhado de 104 crônicas, algumas de 1978 e a maioria escrita a partir de 1995 até a presente data. O tema Educação compõe-se de 56 crônicas, outras 16 são relatos descrevendo fábulas ou estórias oriundas da cultura italiana, e os emas Cultura e Sociedade compreendem, cada um, 16 crônicas.

Ver

Crônicas: globalização, neoliberalismo e política

Esta obra foi editada em 2011 pela Editora da UFGD e reune 99 crônicas escritas principalmente nos últimos quinze anos, versando sobre a globalização, o neoliberalismo e política

Ver

[2009] EDIFICANDO A NOSSA CIDADE EDUCADORA

Esse trabalho tem três objetivos principais, cada qual contemplado em uma das três partes do livro, como se verá adiante. O primeiro é oferecer ao leitor algumas reflexões sobre temas que ocupam o nosso dia-a-dia; o segundo é divulgar os vinte princípios das Cidades Educadoras e, finalmente o terceiro, é tornar público o projeto que nos orienta na transformação de Dourados em uma Cidade Educadora e mostrar os primeiros passos para a operacionalização desse projeto.

Ver

[1998] Até aqui o Laquicho vai bem: os causos de Liberato Leite de Farias

Ao refletir sobre a importância do contador de causos/narrador para a preservação da cultura, percebe-se que cada vez menos pessoas sabem como contar/narrar, com a devida competência, as experiências do cotidiano. Por quê? Para Walter Benjamin, as ações motivadoras das experiências humanas são as mais baixas e aterradoras possíveis em tempos de barbárie; as nossas experiências acabam parecendo pequenas ou insignificantes diante da miséria e da fragmentação humana, numa constatação que extrapola os espaços nacionais.

Ver

[1991] O MOVIMENTO REIVINDICATÓRIO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL: 1978 - 1988

Momentos de grandes mobilizações têm teito do professorado de Mato do Sul a vanguarda do movimento sindicalista deste Estado. Este fato motivou a realização deste trabalho, que teve como proposta inicial analisar criticamente o movimento reivindicatóno do magistério de Mato Grosso do Sul, na perspectiva de revelar-lhe, tanto quanto possível, o perlil de luta, ao longo de sua palpitante trajetória em busca de melhorias salariais, estabilidade empregatícia e melhoria da qualidade do ensino.

Ver

Contato

Informações de Contato

biasotto@biasotto.com.br