Sugestões para um programa de governo

Segurança Pública: o assassinato de Marielle Franco, na última quarta-feira, no Rio de Janeiro, enseja uma reflexão profunda sobre a segurança. Marielle, foi a quinta vereadora mais votada no Rio, era mulher, negra, da favela da Maré; seu partido o PSOL, e ela denunciava a violência policial e se manifestava contra a intervenção militar.

Assim como Marielle, não creio que o Exército resolva o problema da segurança. Se ficar permanentemente sucumbe tal qual o exército mexicano, se fizer patrulhamento ostensivo os traficantes “somem” e (re)aparecerem tão logo o exército saia de cena. Para resolver a questão da segurança é preciso resolver o problema da polícia nos estados. Primeiro, desenvolver a inteligência policial, não somente para excluir elementos perniciosos, mas principalmente para que as forças policiais atuem eficazmente, utilizando satélites de georreferenciamento; formulando políticas estratégicas para o combate ao crime etc.  Depois treinamento e bons salários. Não dá para colocar um recruta nas ruas sem que tenha passado por rigoroso treinamento e por testes que avaliem a sua honestidade e a sua vocação. As policias militar e civil devem permanecer sob o controle dos estados, mas receber substancial apoio do governo federal, arcando inclusive com o estabelecimento de um piso salarial [nacional] digno.

Política: Nossas instituições capengam. A Constituição de 1988 precisa ser revista, é preciso convocar uma Assembleia Nacional Constituinte. Não é possível permitir tanto escândalo no executivo, inclusive com a privatização de nosso patrimônio sem consulta popular. Não é lícito termos um poder judiciário fazendo greve por auxílio moradia, aposentando juízes que cometem desvios, tomando decisões monocráticas e não se atendo à Constituição. Quanto ao legislativo, não é admissível tantas regalias e tantos partidos, interessados apenas no fundo partidário.

Realizar eleições em outubro para governadores e presidente e em novembro [com ou sem segundo turno] para deputados e senadores seria um remédio para dar maioria parlamentar aos governantes e, por via de consequência, evitar as negociatas despudoradas com distribuição de emendas e de mensalões. Não permitir a (re)eleição por mais de dois mandatos em um mesmo cargo legislativo seria outro elemento importante para evitar o clientelismo.

Educação: o ensino fundamental e médio, assim como no caso das policias, devem permanecer sob o comando dos municípios e estados respectivamente, no entanto, o governo federal deveria instituir e bancar um piso salarial de abrangência nacional, digno para os professores. Não dá mais para admitir que os professores formem categorias para ganhar além de cem mil reais mensais e tenham um piso menor do que dois mil e quinhentos reais. É inadmissível professores terem pouco mais do que giz e saliva como material didático quando existem louças interativas e uma infinidade de outros recursos que, às vezes, o aluno tem em casa.

Para que os professores pudessem acompanhar as transformações no ensino o governo federal deveria criar nas universidades públicas, faculdades especializadas em desenvolvimento educacional e dotar as escolas fundamentais e de ensino médio com os instrumentos necessários.

Mas essas coisas não são feitas num piscar de olhos, são necessários recursos, que não são oriundos de privatizações ou reformas como a trabalhista e previdenciária. Essas reformas são como se um rei distribuísse o seu trono de ouro aos súditos. Recursos governamentais são gerados por impostos que advém do desenvolvimento, possível graças ao comportamento da economia que, por sua vez, é impulsionada pela distribuição de renda e da riqueza que geram o consumo. Portanto, além de incentivar o desenvolvimento econômico, o governo deve estimular programas sociais.

Com recursos disponíveis o governo evita tomar emprestado, portanto os juros caem e sobra para investimentos. Então, dentro de uns trinta anos teremos um Brasil melhor.

Pasmem os leitores: Nem, o chefe do tráfico, preso recentemente, declarou que com o PAC [plano de aceleração da economia], os seus funcionários pediam-lhe que permitisse as suas saídas do tráfico para trabalharem em obras.  Quer dizer, se o governo investir em infraestrutura gera desenvolvimento e segurança.  

A reprodução do texto é permitida desde que citada a fonte.

Voltar

Livros

2010: O ANO QUE NÃO ACABOU PARA DOURADOS

A obra ora apresentada é uma coletânea de crônicas publicadas em diversos meios de comunicação no ano de 2010. Falam, sempre com elegância e fluidez, de nossas vidas, de acontecimentos e de possíveis eventos em nosso país, especialmente em nosso município.

Ver

MEDIEVO PORTUGUES: O REI COMO FONTE DE JUSTIÇA NAS CRÔNICAS DE FERNÃO LOPES

Nossa preocupação, nesse trabalho, foi a de estudar o comportamento dos reis, no que concerne à aplicação da Justiça, baseados nas crônicas de Fernão Lopes.

Ver

Crônicas: Educação, Cultura e Sociedade

O livro ora apresentado é um apanhado de 104 crônicas, algumas de 1978 e a maioria escrita a partir de 1995 até a presente data. O tema Educação compõe-se de 56 crônicas, outras 16 são relatos descrevendo fábulas ou estórias oriundas da cultura italiana, e os emas Cultura e Sociedade compreendem, cada um, 16 crônicas.

Ver

Crônicas: globalização, neoliberalismo e política

Esta obra foi editada em 2011 pela Editora da UFGD e reune 99 crônicas escritas principalmente nos últimos quinze anos, versando sobre a globalização, o neoliberalismo e política

Ver

[2009] EDIFICANDO A NOSSA CIDADE EDUCADORA

Esse trabalho tem três objetivos principais, cada qual contemplado em uma das três partes do livro, como se verá adiante. O primeiro é oferecer ao leitor algumas reflexões sobre temas que ocupam o nosso dia-a-dia; o segundo é divulgar os vinte princípios das Cidades Educadoras e, finalmente o terceiro, é tornar público o projeto que nos orienta na transformação de Dourados em uma Cidade Educadora e mostrar os primeiros passos para a operacionalização desse projeto.

Ver

[1998] Até aqui o Laquicho vai bem: os causos de Liberato Leite de Farias

Ao refletir sobre a importância do contador de causos/narrador para a preservação da cultura, percebe-se que cada vez menos pessoas sabem como contar/narrar, com a devida competência, as experiências do cotidiano. Por quê? Para Walter Benjamin, as ações motivadoras das experiências humanas são as mais baixas e aterradoras possíveis em tempos de barbárie; as nossas experiências acabam parecendo pequenas ou insignificantes diante da miséria e da fragmentação humana, numa constatação que extrapola os espaços nacionais.

Ver

[1991] O MOVIMENTO REIVINDICATÓRIO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL: 1978 - 1988

Momentos de grandes mobilizações têm teito do professorado de Mato do Sul a vanguarda do movimento sindicalista deste Estado. Este fato motivou a realização deste trabalho, que teve como proposta inicial analisar criticamente o movimento reivindicatóno do magistério de Mato Grosso do Sul, na perspectiva de revelar-lhe, tanto quanto possível, o perlil de luta, ao longo de sua palpitante trajetória em busca de melhorias salariais, estabilidade empregatícia e melhoria da qualidade do ensino.

Ver

Contato

Informações de Contato

biasotto@biasotto.com.br