Pólvora, chumbo e bala?

Estava ao volante cantarolando “Peixinhos do Mar”, música de domínio popular, consagrada por Milton Nascimento, e ao chegar na segunda estrofe parei para pensar, pois nela existe a advertência de que “... nós, que viemos de outras terras, de outro mar // Temos pólvora, chumbo e bala // Nós queremos é guerrear. Pensei: para que pólvora, chumbo e bala? De que servem? Quem usa? Nos dias atuais guerrear pode assumir estratégias tão diferentes que a espingarda acaba se tornando obsoleta, tanto quanto a espada, como arma de guerra.

Guerrear significa combater e o combate pode se dar de formas muito mais incisivas que a bala. As fake news, notícias falsas, por exemplo, podem causar muito mais estragos do que uma bala. Segundo a BBC, com reprodução no site “O cafezinho”, Aécio teria gasto em torno de 500 milhões na produção de notícias falsas contra a presidente Dilma. Nos Estado Unidos, as suposições de que o presidente Trump esteja envolvido na produção de fake news está cada vez mais presente nos noticiários. A produção desse tipo de falsidades chegou a um ponto aqui no Brasil que o Supremo Tribunal Federal está procurando meios para impedir a reprodução desse tipo de noticiário.

A bala pode ser substituída por outras atitudes. Em 1989 um chinês deitou-se na Praça Vermelha e fez parar um tanque de guerra. Essa imagem impressionante comoveu o mundo.

No Brasil, quem não se lembra das manifestações pelas Diretas Já, entre 1983 e 1984? E, mais recentemente, as jornadas de 2013 a princípio organizadas contra o aumento em vinte centavos no preço dos bilhetes de ônibus? O movimento evoluiu para pedir a deposição da presidente Dilma. Não se tratava de um singelo “laço de fita amarela na ponta da vela no meio do mar”, como na música Peixinhos do Mar, mas de gente vestida de verde amarelo, batendo panelas ao redor do pato, também amarelo, da FIESP.

Mas existem atitudes muito mais contundentes do que as que se processam no campo virtual ou com manifestações de rua na substituição das balas. Em outubro de 2015 tivemos um exemplo forte de como sem fuzis e baionetas se pode parar uma nação. Refiro-me à greve dos caminhoneiros. A categoria pleiteava entre outras coisas a redução do preço do óleo diesel que, no final de setembro daquele ano, havia subido de R$ 2,72 para R$ 2,88, então atravessou alguns caminhões nas principais rodovias e parou o Brasil. Subjacente às demandas da categoria estava a exigência da queda da presidente Dilma, segundo declaração de um dos líderes desse movimento, Ivar Schmid.

De maneira espontânea, como o homem do tanque, ou amparados por movimentos sociais ou, ainda, por poderosos lobbys nacionais ou internacionais, a verdade é que se pode combater sem o auxílio da bala. Mas a pergunta que não quer calar nesse momento é: por que, diante de tanta arbitrariedade que está sendo produzida em nosso país, o povo não se deita à frente de um tanque, não vai às ruas e nem atravessa seus caminhões na estrada?

Para perguntas difíceis não existem respostas fáceis. Dizer que a mídia comandada pela Globo nos anestesia poderia ser boa resposta, mas existem também as redes sociais, onde grupos poderosos investem em fakes news, neutralizando e desqualificando as iniciativas de intelectuais e movimentos sociais, utilizando-se de chavões, modificados conforme as conveniências. A verdade é que temos em nosso país uma elite financeira bem articulada, mas atrasada e mistificada por ideias disseminadas desde os tempos coloniais.

Para manter a sua hegemonia essa elite não se importou em colocar no poder uma quadrilha capaz de vender o Brasil por trinta moedas. Mas nessas trevas, é possível vislumbrar ao longe, a chama da esperança que ainda não se apagou e tende a propagar-se. O povo brasileiro, maltratado e espoliado, está quieto, mas resiste, está transferindo para 2018 a grande batalha contra os seus opressores. Lula é a luz no fim do túnel. Como disse Gleisi Hoffman, Lula “governa com a cabeça do povo”, por isso o povo o aguarda.

Mas o perigo ronda sem descanso. Setores do exército já se manifestam a favor de uma intervenção e aqueles que defendem um estado policialesco já botam as asinhas de fora e agridem a sociedade com as suas prisões coercitivas. Renasce também no Brasil, assim como na Alemanha e nos Estados Unidos, uma facção de ultradireita que é uma séria ameaça à cidadania.

Lula acena com a conciliação, fala em estender as mãos para aqueles que, conscientes ou inconscientemente, contribuíram para o golpe que derrubou Dilma.

2018 não me parece suficientemente perto.  

A reprodução do texto é permitida desde que citada a fonte.

Voltar

Livros

2010: O ANO QUE NÃO ACABOU PARA DOURADOS

A obra ora apresentada é uma coletânea de crônicas publicadas em diversos meios de comunicação no ano de 2010. Falam, sempre com elegância e fluidez, de nossas vidas, de acontecimentos e de possíveis eventos em nosso país, especialmente em nosso município.

Ver

MEDIEVO PORTUGUES: O REI COMO FONTE DE JUSTIÇA NAS CRÔNICAS DE FERNÃO LOPES

Nossa preocupação, nesse trabalho, foi a de estudar o comportamento dos reis, no que concerne à aplicação da Justiça, baseados nas crônicas de Fernão Lopes.

Ver

Crônicas: Educação, Cultura e Sociedade

O livro ora apresentado é um apanhado de 104 crônicas, algumas de 1978 e a maioria escrita a partir de 1995 até a presente data. O tema Educação compõe-se de 56 crônicas, outras 16 são relatos descrevendo fábulas ou estórias oriundas da cultura italiana, e os emas Cultura e Sociedade compreendem, cada um, 16 crônicas.

Ver

Crônicas: globalização, neoliberalismo e política

Esta obra foi editada em 2011 pela Editora da UFGD e reune 99 crônicas escritas principalmente nos últimos quinze anos, versando sobre a globalização, o neoliberalismo e política

Ver

[2009] EDIFICANDO A NOSSA CIDADE EDUCADORA

Esse trabalho tem três objetivos principais, cada qual contemplado em uma das três partes do livro, como se verá adiante. O primeiro é oferecer ao leitor algumas reflexões sobre temas que ocupam o nosso dia-a-dia; o segundo é divulgar os vinte princípios das Cidades Educadoras e, finalmente o terceiro, é tornar público o projeto que nos orienta na transformação de Dourados em uma Cidade Educadora e mostrar os primeiros passos para a operacionalização desse projeto.

Ver

[1998] Até aqui o Laquicho vai bem: os causos de Liberato Leite de Farias

Ao refletir sobre a importância do contador de causos/narrador para a preservação da cultura, percebe-se que cada vez menos pessoas sabem como contar/narrar, com a devida competência, as experiências do cotidiano. Por quê? Para Walter Benjamin, as ações motivadoras das experiências humanas são as mais baixas e aterradoras possíveis em tempos de barbárie; as nossas experiências acabam parecendo pequenas ou insignificantes diante da miséria e da fragmentação humana, numa constatação que extrapola os espaços nacionais.

Ver

[1991] O MOVIMENTO REIVINDICATÓRIO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL: 1978 - 1988

Momentos de grandes mobilizações têm teito do professorado de Mato do Sul a vanguarda do movimento sindicalista deste Estado. Este fato motivou a realização deste trabalho, que teve como proposta inicial analisar criticamente o movimento reivindicatóno do magistério de Mato Grosso do Sul, na perspectiva de revelar-lhe, tanto quanto possível, o perlil de luta, ao longo de sua palpitante trajetória em busca de melhorias salariais, estabilidade empregatícia e melhoria da qualidade do ensino.

Ver

Contato

Informações de Contato

biasotto@biasotto.com.br