2018, indefinições e esperanças

07/01/2018 às 09:04 hs

Quando os anos envelhecem em dezembro, dizem que estão para morrer, mas os anos não morrem, apenas passam, deixando marcas, lembranças, história.

Em minhas crônicas de final de ano gosto de repetir o imortal Carlos Drummond de Andrade que, em sua genialidade, escreveu:

"Quem teve a ideia de cortar o tempo em fatias...

Leia mais

Porque é Natal

23/12/2017 às 10:26 hs

Em 24 de dezembro, o dia em que o sol se encontra mais longe das terras do Norte Europeu, com frio intenso, com mais de 30 graus abaixo de zero, o xamã viking acende a fogueira e enfeita um pinheiro para pedir que a luz vença as trevas.

Leia mais

Não se mata ou prende-se a esperança

16/12/2017 às 10:08 hs

A Justiça brasileira, tida como lenta, acelerou em um processo que poderia ficar adormecido no TR4. Trata-se do recurso impetrado por Lula, decorrente de sua condenação imposta pelo juiz Moro. 24 de janeiro será o dia da verdade.

Leia mais

Pólvora, chumbo e bala?

09/12/2017 às 11:24 hs

Estava ao volante cantarolando “Peixinhos do Mar”, música de domínio popular, consagrada por Milton Nascimento, e ao chegar na segunda estrofe parei para pensar,

Leia mais

Manifestações parlamentaristas

25/11/2017 às 08:19 hs

No início do século 13 já estava se consolidando na Europa uma nova classe social. Além dos sacerdotes, guerreiros e camponeses, com o renascimento das cidades e do comércio, emergia nos burgos uma burguesia comercialmente ativa

Leia mais

Livros

2010: O ANO QUE NÃO ACABOU PARA DOURADOS

A obra ora apresentada é uma coletânea de crônicas publicadas em diversos meios de comunicação no ano de 2010. Falam, sempre com elegância e fluidez, de nossas vidas, de acontecimentos e de possíveis eventos em nosso país, especialmente em nosso município.

Ver

MEDIEVO PORTUGUES: O REI COMO FONTE DE JUSTIÇA NAS CRÔNICAS DE FERNÃO LOPES

Nossa preocupação, nesse trabalho, foi a de estudar o comportamento dos reis, no que concerne à aplicação da Justiça, baseados nas crônicas de Fernão Lopes.

Ver

Crônicas: Educação, Cultura e Sociedade

O livro ora apresentado é um apanhado de 104 crônicas, algumas de 1978 e a maioria escrita a partir de 1995 até a presente data. O tema Educação compõe-se de 56 crônicas, outras 16 são relatos descrevendo fábulas ou estórias oriundas da cultura italiana, e os emas Cultura e Sociedade compreendem, cada um, 16 crônicas.

Ver

Crônicas: globalização, neoliberalismo e política

Esta obra foi editada em 2011 pela Editora da UFGD e reune 99 crônicas escritas principalmente nos últimos quinze anos, versando sobre a globalização, o neoliberalismo e política

Ver

[2009] EDIFICANDO A NOSSA CIDADE EDUCADORA

Esse trabalho tem três objetivos principais, cada qual contemplado em uma das três partes do livro, como se verá adiante. O primeiro é oferecer ao leitor algumas reflexões sobre temas que ocupam o nosso dia-a-dia; o segundo é divulgar os vinte princípios das Cidades Educadoras e, finalmente o terceiro, é tornar público o projeto que nos orienta na transformação de Dourados em uma Cidade Educadora e mostrar os primeiros passos para a operacionalização desse projeto.

Ver

[1998] Até aqui o Laquicho vai bem: os causos de Liberato Leite de Farias

Ao refletir sobre a importância do contador de causos/narrador para a preservação da cultura, percebe-se que cada vez menos pessoas sabem como contar/narrar, com a devida competência, as experiências do cotidiano. Por quê? Para Walter Benjamin, as ações motivadoras das experiências humanas são as mais baixas e aterradoras possíveis em tempos de barbárie; as nossas experiências acabam parecendo pequenas ou insignificantes diante da miséria e da fragmentação humana, numa constatação que extrapola os espaços nacionais.

Ver

[1991] O MOVIMENTO REIVINDICATÓRIO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL: 1978 - 1988

Momentos de grandes mobilizações têm teito do professorado de Mato do Sul a vanguarda do movimento sindicalista deste Estado. Este fato motivou a realização deste trabalho, que teve como proposta inicial analisar criticamente o movimento reivindicatóno do magistério de Mato Grosso do Sul, na perspectiva de revelar-lhe, tanto quanto possível, o perlil de luta, ao longo de sua palpitante trajetória em busca de melhorias salariais, estabilidade empregatícia e melhoria da qualidade do ensino.

Ver

Contato

Informações de Contato

biasotto@biasotto.com.br