Francesco, pão com banana

10/06/2017 às 05:54 hs

Até pouco tempo a tradição oral prestava-se muito mais para a educação de novas gerações do que a escola e os livros. Meus ascendentes italianos não eram diferentes de outros povos e usavam fábulas e ditados populares para orientar as gerações mais novas. Um mentiroso é um ladrão, pregavam para evitar descaminhos. Ensinavam também que para quem rouba tanto faz um milhão como um tostão, é ladrão

Leia mais

A encruzilhada brasileira: diretas ou indiretas?

03/06/2017 às 05:59 hs

Enquanto o presidente Temer procura ganhar tempo, para não perder o seu mandato e a sua imunidade, o Brasil perde tempo. O aumento de 1% no PIB (Produto Interno Bruto) anunciado nessa semana pelo IBGE não significa exatamente o final da recessão,

Leia mais

Cenários pós derrocada de Temer

27/05/2017 às 08:37 hs

O governo Temer acabou. Sua última tentativa de demonstrar força foi colocar o Exército nas ruas, mas os generais de quatro estrelas mostraram descontentamento, entendendo que ao Exército cabe missão mais nobre do que a de reprimir protestos.

Leia mais

Quicam pranchetas e processos

20/05/2017 às 08:21 hs

Se os leitores de crônicas já as acham muito longas, apesar de seu espaço reduzido, haverá telespectadores com tempo disponível para tantas discussões irrelevantes diante das tarefas mil que os tempos contemporâneos nos impõe?

Leia mais

Minha mãe e minha pátria amada

13/05/2017 às 07:33 hs

O segundo domingo de maio é reservado às mães, embora dificilmente passe um único dia sem que apelemos ou nos lembremos delas. Ela nos dá à luz, nos amamenta, nos acalenta, espanta os nossos medos, conduz os nossos primeiros passos. Ela é quem primeiro nos conforta,

Leia mais

Livros

2010: O ANO QUE NÃO ACABOU PARA DOURADOS

A obra ora apresentada é uma coletânea de crônicas publicadas em diversos meios de comunicação no ano de 2010. Falam, sempre com elegância e fluidez, de nossas vidas, de acontecimentos e de possíveis eventos em nosso país, especialmente em nosso município.

Ver

MEDIEVO PORTUGUES: O REI COMO FONTE DE JUSTIÇA NAS CRÔNICAS DE FERNÃO LOPES

Nossa preocupação, nesse trabalho, foi a de estudar o comportamento dos reis, no que concerne à aplicação da Justiça, baseados nas crônicas de Fernão Lopes.

Ver

Crônicas: Educação, Cultura e Sociedade

O livro ora apresentado é um apanhado de 104 crônicas, algumas de 1978 e a maioria escrita a partir de 1995 até a presente data. O tema Educação compõe-se de 56 crônicas, outras 16 são relatos descrevendo fábulas ou estórias oriundas da cultura italiana, e os emas Cultura e Sociedade compreendem, cada um, 16 crônicas.

Ver

Crônicas: globalização, neoliberalismo e política

Esta obra foi editada em 2011 pela Editora da UFGD e reune 99 crônicas escritas principalmente nos últimos quinze anos, versando sobre a globalização, o neoliberalismo e política

Ver

[2009] EDIFICANDO A NOSSA CIDADE EDUCADORA

Esse trabalho tem três objetivos principais, cada qual contemplado em uma das três partes do livro, como se verá adiante. O primeiro é oferecer ao leitor algumas reflexões sobre temas que ocupam o nosso dia-a-dia; o segundo é divulgar os vinte princípios das Cidades Educadoras e, finalmente o terceiro, é tornar público o projeto que nos orienta na transformação de Dourados em uma Cidade Educadora e mostrar os primeiros passos para a operacionalização desse projeto.

Ver

[1998] Até aqui o Laquicho vai bem: os causos de Liberato Leite de Farias

Ao refletir sobre a importância do contador de causos/narrador para a preservação da cultura, percebe-se que cada vez menos pessoas sabem como contar/narrar, com a devida competência, as experiências do cotidiano. Por quê? Para Walter Benjamin, as ações motivadoras das experiências humanas são as mais baixas e aterradoras possíveis em tempos de barbárie; as nossas experiências acabam parecendo pequenas ou insignificantes diante da miséria e da fragmentação humana, numa constatação que extrapola os espaços nacionais.

Ver

[1991] O MOVIMENTO REIVINDICATÓRIO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL: 1978 - 1988

Momentos de grandes mobilizações têm teito do professorado de Mato do Sul a vanguarda do movimento sindicalista deste Estado. Este fato motivou a realização deste trabalho, que teve como proposta inicial analisar criticamente o movimento reivindicatóno do magistério de Mato Grosso do Sul, na perspectiva de revelar-lhe, tanto quanto possível, o perlil de luta, ao longo de sua palpitante trajetória em busca de melhorias salariais, estabilidade empregatícia e melhoria da qualidade do ensino.

Ver

Contato

Informações de Contato

biasotto@biasotto.com.br